Umas férias com Jacques Tati


Uma retrospetiva integral do realizador Jacques Tati vai animar Lisboa e Porto nas últimas semanas de Verão. Um ciclo para recordar, ou descobrir pela primeira vez, a obra de um génio do cinema.

Eis o grande acontecimento desta pré-reentré, pré-cansaço diário, pré-regresso às rotinas, ao quotidiano e ao conformismo da sociedade mecanizada e informatizada, num mundo dominado pela informação super-sónica e pelo domínio crescente das máquinas no mundo dos humanos. Não, esse mundo não é de um qualquer filme de ficção científica pós-apocalíptico, e é antes uma realidade bem palpável – ou aliás, bem… real. Uma realidade que um autor, através da linguagem do cinema, conseguiu satirizar de uma maneira única, em filmes que podem ser vistos, a partir desta semana, no espaço Nimas. Fez sátira “séria”, sim, mas também fez gags como tão poucos conseguiram no grande ecrã: desde o mundo do circo à simples vida na mais anónima das províncias francesas, Jacques Tati brincou com tudo e todos, levando a limites nunca antes vistos (e, em cada filme, com novos contornos), a arte do slapstick e da ironia da mais refinada comédia física.

Um artigo especial que pode ser lido na íntegra na Máquina de Escrever.

Comentários

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).