A Humilhação (The Humbling) [2015]


Uma interpretação singular de Al Pacino eleva uma adaptação cáustica e desorientada de “A Humilhação”, um romance homónimo de Philip Roth. 

Eis uma história de ascensão e queda de um artista, como tantas outras que seguem o mesmo caminho, e que traçam o mesmo percurso psicológico de uma personagem decadente e perdida no meio das suas ilusões. Hollywood tem sido perita em filmar esse tipo de situações dramáticas, tão inerentes ao mundo do star system criado pela indústria (basta citar os exemplos ilustrativos dos filmes O Crepúsculo dos Deuses, de Billy Wilder, ou Corações na Penumbra, de Richard Brooks). 

Mas o que propõe Philip Roth – e o realizador Barry Levinson – é algo diferente, pelo menos, em termos formais, numa variação desses temas clássicos que dizem tanto ao cinema americano. A Humilhação é um curioso drama, com algo de humorístico, que joga com os problemas de Simon Axler, um ator instável que vê o seu talento dissipar-se e uma depressão aguda a surgir.

Leiam a crítica integral na Máquina de Escrever.

Comentários