quinta-feira, 16 de abril de 2015

Phoenix [2014]


O mais recente filme de Christian Petzold traz-nos um retrato dos demónios do Holocausto no pós-guerra. E Nina Hoss triunfa numa belíssima história de amor e de mentiras. 

Poderia ser um filme de Hitchcock, e as referências são bem notórias dessa e outras influências, mas Christian Petzold não quer só fazer um thriller histórico limitado ao suspense. O realizador de Yella e Barbara utiliza um modelo de narrativa clássico para revelar, através de uma cinematografia singular e de grandes interpretações, a forma como a Alemanha lidou com as consequências dos atos cometidos, após o final da II Guerra Mundial. Mas há mais, nesta história que soa, mas apenas aparentemente, a algo que poderia ter características unidimensionais e previsíveis.

Leiam a crítica integral na Máquina de Escrever.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).