quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Um Ano Muito Violento (A Most Violent Year) [2014]


Recuperando referências do cinema americano dos anos 70 e 80, Um Ano Muito Violento é uma história de crime e poder que sobressai pelo grande trabalho de interpretação. 

Depois de um olhar particular sobre a crise financeira recente demonstrado em Margin Call – O Dia Antes do Fim, e de um poético relato de sobrevivência em alto mar com Quando Tudo Está Perdido (que tem uma incrível prestação de Robert Redford), J. C. Chandor regressa com um filme distinto dos anteriores, mas que não esquece algumas das suas características fundamentais, sobretudo a formidável direção de atores. É um cinema preocupado com as suas funções mais ancestrais: contar uma boa história e explorar, através dela, as múltiplas dimensões da condição humana. E aqui vemos, em todo o seu esplendor, as consequências de uma série de armadilhas provocadas pelo choque entre interesses pessoais e a ambição do poder.

Leiam a crítica integral na Máquina de Escrever.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).