quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Foxcatcher [2014]


Mais do que uma história sobre os meandros do atletismo, o novo filme de Bennett Miller fala-nos de uma personalidade obscura e da sua obsessão pelo poder dos media.

Depois de dissecar as drásticas consequências do processo “criativo” que levou Truman Capote a escrever A Sangue Frio (no filme Capote), e de analisar a relação cada vez mais intensa que une o desporto e as potencialidades dos meios informáticos (em Moneyball – Jogada de Risco), o realizador Bennett Miller decidiu pegar numa outra história verídica, mas com contornos bem mais obscuros que as duas anteriores. Com ela, Miller explora os contornos da mediatização das relações humanas, e da maneira como podemos ser facilmente levados a acreditar na maior e mais complexa das mentiras.

Leiam a crítica integral na Máquina de Escrever.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).