sábado, 27 de dezembro de 2014

Mamã (Mommy) [2014]


Xavier Dolan regressa, pela segunda vez em 2014, às salas nacionais. E, desta vez, é com Mamã, um filme muito peculiar sobre a relação não menos invulgar entre uma mãe e o seu filho problemático. Este é um dos acontecimentos mais marcantes da reta final deste ano cinematográfico. 

Uma mãe viúva, desenrascada e sem papas na língua, e o seu filho de 15 anos, imparável, carismático e violento, num Canadá com o seu quê de distópico (Dolan insere, numa narrativa realista, uma dimensão social fictícia, que acabará por criar uma outra perspetiva em certas situações da história), protagonizam uma história de sobrevivência na vida mundana, dominada por números, rótulos e burocracias, e que cada vez menos pode ser associada com a palavra “Humanidade”. No caminho ainda conhecem uma vizinha caricata e vivem uma série de questões que os tentarão ajudar a enfrentar o caos… ou talvez não. 

Diz-se que só se consegue escrever um bom livro depois dos 40, mas agora não sabemos se isso poderá mesmo ser verdade na questão do cinema, ou pelo menos, com este caso em particular. Porque apesar de algumas jovialidades notórias, em termos visuais e psicológicos, Mamã sobrevive no nosso imaginário como uma história perfeitamente adulta, em que os artifícios estéticos mais não são que um acompanhamento para uma narrativa que tem os pés bem assentes na terra. 

Leiam a crítica integral no Espalha-Factos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).