domingo, 16 de novembro de 2014

John Wick [2014]


Quantos são, quantos são? Venham eles, que Keanu Reeves não tem medo de ninguém – porque todos os outros é que têm de tremer quando ele chega, com a sua sede implacável de vingança. John Wick é uma agradável surpresa dentro dos filmes de ação que têm chegado aos cinemas, porque deve ser um dos raríssimos exemplos do género que consegue ter algum interesse para o espectador, não se resumindo aos efeitos especiais e à banalidade mais corriqueira deste tipo de histórias. 

É um filme de ação? Sim, mas de uma ação cheia de adrenalina e com alguma minúcia na sua preparação, algo que não conseguimos encontrar regularmente nesta nossa modernidade, dominada por efeitos especiais utilizados para tudo e para nada. E ao contrário da maioria dos seus congéneres, John Wick cumpre as premissas que qualquer filme de ação deveria ter como palavra de ordem: entretenimento exequível e agradável, bem ritmado e executado, onde os clichés misturam-se, e bem, com o estilo da personagem (e sim, Keanu Reeves ainda consegue ser o patrão!). O resultado? Uma história que passa depressa, que não nos faz levar as mãos à cabeça, e que nos entretém, à séria, durante pouco mais de 100 minutos. 

Que se digam todas as barbaridades e que se atirem todos os preconceitos (injustos, na maioria) contra os filmes de ação, mas queremos acreditar que há uma linha que separa as andanças de filmes-chiclete como Os Mercenários, e as características de um filme como este – que, não sendo alguma coisa de outro mundo, que irá alterar a Humanidade ou a perceção que temos do cinema, não nos faz, também, pelo contrário, suplicar por misericórdia, contrariamente às experiências levadas a cabo pela trupe de veteranos dos filmes “machos” dos anos oitenta liderada por Stallone. John Wick não prima pela originalidade, mas pela eficácia atribuída ao seu conceito ultra-conhecido – e aí está o seu ponto mais forte, tal como a maneira utilizada para conduzir a história, fora de mecanismos mais risíveis a que estamos habituados a encontrar em histórias deste calibre.

Leiam a crítica integral no Espalha Factos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).