domingo, 5 de outubro de 2014

Livros VS Filmes #5 – O PADRINHO


O LIVRO 
Foi um autêntico best-seller na época em que foi lançado, e tornou famosa uma das histórias mais conhecidas da cultura norte-americana contemporânea: «O Padrinho» é a saga da família Corleone, contando uma série de situações que envolvem os negócios da máfia, os segredos das personagens e o passado de Vito, o Padrinho a quem todos obedecem – mesmo os que o querem atraiçoar a qualquer momento. O romance explora uma ou outra figura que os filmes deixaram de lado (como a ascensão de Johnny Fontaine, baseada nas peripécias de Frank Sinatra em Hollywood), e desenvolve-se de uma maneira deliciosa e envolvente. 

O FILME 
É mais conhecida que o livro, mas a versão de Coppola vai mais longe do que a imaginação de Mario Puzo, recriando elementos do romance com uma poesia cinematográfica que Hoje é indissociável do universo dos Corleone. Desenvolvendo-se ao longo de uma trilogia, este «Padrinho» adapta o livro no primeiro filme e em parte do segundo, ao contar a história das origens de Vito Corleone. Um clássico absoluto do Cinema, que deu a certas passagens da história um tom muito mais interessante e inesquecível (como a cena do cavalo, que foi feita daquela forma porque o realizador leu mal as palavras de Puzo). 

O VEREDICTO 
A influência do filme é inegável, e de facto, este acaba por funcionar mais hoje do que o livro. Contudo, sem o primeiro, e sem a colaboração de Puzo na escrita dos argumentos da trilogia, nunca Coppola poderia ter criado um monumento cinematográfico como este. Vale a pena ler o livro principalmente depois de vistos os 3 filmes, porque complementa melhor assim tudo aquilo que nos contam as personagens e tudo o que as rodeia.

Quinta edição da rubrica «Livros VS Filmes», publicada à sexta feira (desta vez, e excepcionalmente, ao sábado), de quinze em quinze dias, na página do facebook Culturart.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).