sábado, 20 de setembro de 2014

Livros VS Filmes #4 – TO KILL A MOCKINGBIRD



O LIVRO 
Há várias edições e títulos nacionais atribuídos ao romance de Harper Lee. Mas «Por Favor, Não Matem a Cotovia» continua a ser uma delícia de livro independentemente da tradução. Clássico da literatura norte-americana do século XX, centra-se na vida de uma pequena comunidade sulista e na coragem de um advogado, Atticus Finch, que defende um negro acusado de um crime que não cometeu, (sendo facilmente julgado e odiado devido aos preconceitos que continuam presentes). Mas há também um retrato apurado de costumes e das contradições de uma sociedade sempre em crescimento, com as mentalidades a alterarem-se de geração em geração. 

O FILME 
Tal como a obra que adapta, «Na Sombra e no Silêncio» adquiriu também um estatuto de culto – mas por diferentes razões: quer seja pela incrível interpretação de Gregory Peck como Finch, quer pela abordagem cinematográfica aos temas sociais da história. O filme de Robert Mulligan dá uma especial atenção ao caso judicial que é o mote para a maior parte da história, e consegue funcionar muito bem “cortando” algumas das melhores partes do texto de Lee. Mas seria interessante ver algumas das cenas mais divertidas do livro transpostas para o grande ecrã (a sessão do culto religioso é uma delas). 

O VEREDICTO 
Este é mais um caso em que livro e filme se complementam, já que ambos merecem ser igualmente descobertos (o primeiro, pela sua reflexão mais aprofundada, o segundo pela recriação incrível que faz de uma história brilhante). São ambos incontornáveis para a cultura popular americana, e essenciais para uma melhor compreensão de certos valores humanos que se adequam a qualquer país.

Esta foi a quarta edição da rubrica da rubrica «Livros Vs Filmes», publicada ontem, e que sai quinzenalmente, às sextas feiras, na página do facebook CulturArt

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).