sábado, 26 de julho de 2014

Livros VS Filmes #2 - LARANJA MECÂNICA


O LIVRO 
«Laranja Mecânica» reflecte acontecimentos trágicos da vida do seu autor, e profetiza uma sociedade suja, violenta e isenta de moralidade, através da história diabólica de Alex e dos seus três drugos. Desenvolvendo uma linguagem própria (o nadsate), o protagonista conta-nos todas as suas peripécias, e com ela, o leitor vai até ao lado mais negro da humanidade, descobrindo os dois lados de uma questão delicada e que necessita de uma grande reflexão: a distância entre a Ordem e o Livre-Arbítrio, e suas causas e consequências. Um livro que permanece chocante e contemporâneo mais de meio século depois da sua publicação. 

O FILME 
A obra de Stanley Kubrick é tão ou mais famosa do que o livro, não só pela inesquecível interpretação de Malcolm McDowell (o “one and only” Alex) como por toda a enorme controvérsia e censura que originou na sua estreia original. Com o passar dos anos tornou-se (justamente) um filme de culto, kitsch e provocador, que continua a provocar tanto como a escrita de Anthony Burgess. O cineasta segue, nesta extravagância visual e sensorial, a história original e altera algumas situações, para aumentar a perversidade das intenções iniciais e dar às questões sociais levantadas no livro uma notável relevância cinematográfica. 

O VEREDICTO: é difícil escolher só um, porque tanto o livro como o filme, pelas suas próprias razões, merecem um lugar de destaque na colecção de cada um. São duas obras essenciais da cultura da segunda metade do século XX e que se complementam de uma forma deliciosa.

Segunda edição de uma rubrica quinzenal para a página Culturart. Uma nova edição destas lutas entre Literatura e Cinema sairá dentro de 15 dias, aqui e depois neste estaminé.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).