sexta-feira, 4 de julho de 2014

Draft Day - Dia D [2014]


O novo filme do realizador de Os Caça-Fantasmas, O Pelotão Chanfrado e Nas Nuvens é um retrato corriqueiro dos bastidores económicos e oportunistas do futebol americano. Não é mais do que um mero divertimento ligeiro, mas ao menos sabe cumprir da melhor maneira essa função nada desprestigiante. Draft Day – Dia D estreia esta semana em Portugal. 

É uma fórmula (demasiado) habitual, mas que acaba por funcionar mais uma vez: temos uma equipa de futebol americano que está a fazer uma péssima temporada e Sonny Weaver Jr. (Kevin Costner), o manager da mesma, está a um passo de ser despedido da liderança. Mas no draft day (o dia em que todas as equipas contratam novos e promissores talentos), Sonny tem a oportunidade de reconstruir a sua equipa caótica e desastrosa, e salvar a pouca confiança que os fãs e o seu chefe ainda depositam nas suas ideias, trazendo os melhores jogadores e evitando cair nas armadilhas propostas pela estratégia das outras equipas. 

E com isto já conseguimos saber qual vai ser o final da história: juntemos a isto uma história de amor previsível e despropositada, uma série de diálogos recalcados de tantos outros filmes do género e um retrato fiel do espírito do futebol na vida dos americanos, e temos logo Draft Day na sua mais pura e banal essência, mais televisiva do que cinematográfica. E Ivan Reitman é, também, um realizador pouco cinematográfico, mais conhecido pelos sucessos de bilheteira do que pela qualidade e originalidade das suas fitas – à exceção de Os Caça-Fantasmas, que é um êxito de culto, e do premiado Nas Nuvens, Reitman tem-se dedicado maioritariamente a comédias falhadas, sensaboronas e, até, grotescas, como Gémeos, Júnior e Um Polícia no Jardim Escola.

Leiam a crítica integral no Espalha Factos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).