sábado, 17 de maio de 2014

Capital Humano (Il Capitale Umano) [2013]


Capital Humano entrelaça as perspetivas de três personagens no desenrolar de diversos acontecimentos mais ou menos trágicos que unem e separam as suas vidas. Contado em quatro capítulos, nele acompanhamos a história de Dino Ossola (Fabrizio Bentivoglio), um vendedor que sonha com a ascensão social, que poderá ser garantida graças à amizade da sua filha Serena (Matilde Gioli) com a família Bernaschi, pertencente à alta sociedade. Depois ainda há tempo para descobrir a versão da própria Serena e de Carla Bernaschi (Valeria Bruni Tedeschi) de todos os diversos casos que vamos acompanhando, e cujo sentido nunca é tão óbvio e direto como possamos imaginar. 

Um misterioso acidente na véspera de Natal irá complicar ainda mais os conflitos interiores de cada um dos elementos desta tragédia urbana, montada como se de um autêntico puzzle se tratasse. O filme baseia-se no livro Human Capital, do crítico de Cinema Stephen Amidon, e, a partir dele, o realizador Paolo Virzì aproveita para desenhar um outro retrato da Itália contemporânea, com o seu quê de egocêntrica, pretensiosa, arrogante e cínica. São vários os filmes e cineastas que fazem uma análise assim a este seu país de origem, mas realmente, a única coisa que Capital Humano partilha com todas as variadas críticas sociais que o Cinema italiano tem levado a cabo nos últimos anos é mesmo a atmosfera de decadência, à qual nunca iremos escapar. Será a Itália um país interminavelmente decadente, ciente desta ruína cujo crescimento nunca conseguirá interromper? 

É um dos filmes italianos mais mediáticos do ano, mas que não se confunda popularidade com qualidade – mas Capital Humano consegue vencer nas duas categorias (e esperemos que consiga conquistar outras mais, entre as 19 nomeações em que está a competir para os prémios David Di Donatello, atribuídos pela Academia do Cinema Italiano) e ainda, surpreender noutras tantas, mais ou menos formalizadas no nosso pensamento crítico cinéfilo.

Leiam a crítica integral no Espalha Factos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).