A Lancheira (Dabba/The Lunchbox) [2013]


É um romance peculiar, com as suas singularidades que o destacam entre os filmes mais comuns do género: A Lancheira é uma história peculiar que é ao mesmo tempo o retrato de uma sociedade e das diferenças de mentalidade entre gerações, à medida que o progresso e a tecnologia determina a forma como comunicamos uns com os outros.

É uma pequena grande surpresa, este filme cheio de simplicidade, que surpreende por não coincidir com os clichés que estamos à espera de encontrar. Pensamos, a princípio, que se trata de mais um romancezeco fantasioso como os outros, cuja única diferença encontra-se na sua localização geográfica e social. Nada mais errado, e ao longo de A Lancheira, percebemos que estamos perante algo que é exatamente o oposto dessas ideias feitas.

Mais do que um drama romântico, A Lancheira é uma obra social, que ilustra os costumes de uma cultura ainda muito ligada aos métodos tradicionais, mas que a pouco e pouco consegue avançar e acompanhar os tempos modernos. Vai buscar mecanismos clássicos de drama e até mesmo de comédia, inserindo-as num contexto único e que são tratados de uma forma bonita e encantadora, não tornando este filme mais uma cópia cansativa daquele tipo de filmes que só são propícios para levar casalinhos ao Cinema – sem que tenham muita atenção ao que se está a passar no ecrã…

Leiam a crítica integral no Espalha Factos.

Comentários

  1. A Lancheira: 5*

    Este filme é fantástico, tem um enredo perfeito e ainda um elenco grandioso.

    Cumprimentos, Frederico Daniel.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).