sexta-feira, 2 de maio de 2014

5 anos de vida, um abraço e um agradecimento


Foi esta a imagem que decidi utilizar para publicitar o quinto aniversário desta Companhia das Amêndoas, na sua página de facebook. Para comemorar, deixo-vos hoje ainda uma surpresa, mas antes, queria deixar um desabafo nostálgico.

A jornada já vai longa, prolongando-se até muito mais do que aquilo que eu, alguma vez, poderia esperar deste estaminé. Nunca ninguém conseguiu perceber o propósito deste blog, tal como nunca houve uma pessoa que conseguisse entender como funciona a minha cabeça, no meio de tanta desorganização de projectos, acontecimentos, ideias, livros, músicas, filmes, e tantas outras coisas, que povoam a minha imaginação e a fraca vida social que ainda consigo, com sorte, preservar.

Começou por ser um blog de parvoíces, no dia 2 de Maio de 2009, uma data que ficou marcada para a História desta companhia graças ao post primordial, em que apenas disse algo semelhante a "olá, não sei o que isto é, mas acabou de nascer. Obrigado e bom dia". Já a 3 do mesmo mês, publiquei a minha primeira dissertação idiota sobre o quotidiano (um pequeno ensaio grotesco sobre supermercados).

Consegui, felizmente, evoluir muito nestes últimos cinco anos. De cada vez que reencontro textos que escrevi no passado, não consigo deixar de os considerar patéticos e demasiado maus para terem sido postos à disposição para todo o planeta Terra (e a meia dúzia de alienígenas que vêm aqui parar, acidentalmente, porque estavam no Google a pesquisar receitas terráqueas que envolvem frutos secos). Provavelmente, amanhã já me terei arrependido da mediocridade destes parágrafos que estou agora teclando com grande vivacidade. Mas sou fã das coisas que se devem dizer no momento certo, sem serem polidas até à exaustão.

E mesmo que a Companhia das Amêndoas não possa ser definida como algo concreto, há uma coisa que sempre caracterizou este blog (se bem que, ao longo do tempo, fui melhorando a minha escrita - e tornei a minha opinião, felizmente, mais fundamentada a cada dia, apesar de ainda hoje eu continuar a ser burro que nem uma porta.), que é essa característica de poder dizer, neste espaço, o que me vai na alma. Seja de filmes ou de outra coisa qualquer. É o sítio onde tenho inteira liberdade, em que mais gosto de debitar coisas, mesmo que depois as odeie para todo o sempre. E depois disso também.

Nos últimos tempos tem sido a cinefilia a dominar o blog. Em vez de ser uma salganhada total de temáticas, passou a ser uma salganhada mais pequena, em que as críticas dos filmes (ou a publicidade a coisas que tenho feito para o Espalha Factos) se misturam. Com o passar dos anos pude conhecer pessoas e mentalidades novas graças aos disparates que fui aqui divulgando. 

E agradeço a toda a gente que me permitiu crescer e desenvolver esta companhia. Agradeço às pessoas que apoiam desde sempre esta coisa, que não merecia tanto. Obrigado a todos, pelos comentários, pelas apreciações, pelas críticas positivas e negativas, e por me terem ajudado a crescer - e por continuarem a fazê-lo. Não sou ninguém no mundo da blogosfera, nem pretendo ser. Estou bem no papel de "garoto-que-manda-umas-postas-de-pescada-e-que-as-pessoas-desconfiam-à-partida-porque-o-nome-do-blog-dele-é-demasiado-parvo" - e acreditem, eu não sei mesmo como é que este epíteto surgiu!

Que venham, por isso, mais cinco, dez, vinte anos de amêndoas, com ou sem chocolate. E por mais transformações que o blog tiver de sofrer, nunca terá o seu bom nome manchado. Porque lá está, sendo uma coisa tão estranha e vaga, posso fazer dela o que eu quiser. Se me desse na gana, a partir de amanhã começava apenas a publicar aqui receitas de bacalhau, e um trabalho de investigação aprofundado sobre danças e cantares da Beira Baixa. Mas não me apetece.

E o blog pode não estar nos seus melhores dias - este mês de abril foi muito cansativo, com tanta coisa para fazer para o Espalha Factos. Contudo, não penso abandonar este espaço, e tentarei, a partir daqui, manter um ritmo não tão distante, para não perder a pequeniníssimazinha comunidade de leitores que consegui captar com as minhas debitações culturais e anormais.

Agora, fora de brincadeiras: OBRIGADO. É tudo o que posso dizer, e que por mais vezes que repita, nunca deixará de fazer sentido proferir. Porque tenho sempre razão para o fazer.

2 comentários:

  1. Parabéns pelos 5 anos sempre a bombar! Espero que venham outros tantos sempre com a mesma qualidade! Cumprimentos cinéfilos

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).