sexta-feira, 25 de abril de 2014

Tropicália [2012]


O documentário retrata um dos períodos criativos mais inovadores da cultura brasileira, contrapondo a frescura das letras e melodias dos membros deste movimento com a dureza da ditadura brasileira, que criou barreiras para a liberdade de expressão e de criatividade de artistas como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Tom Zé e Maria Bethânia. E finalmente, Tropicália estreia esta semana em Portugal, nas salas e também em DVD e nos videoclubes da televisão por cabo, numa iniciativa que pretende atender às novas necessidades de expansão do mercado cinematográfico. 

Tropicália é a história muito bem documentada e construída do movimento artístico brasileiro homónimo e dos seus protagonistas, contado pelos seus testemunhos e por uma vasta coleção de imagens de arquivo (onde se inclui um excerto de uma emissão do célebre Zip-Zip, que abre o filme, onde vemos Gilberto Gil e Caetano Veloso a falarem sobre o final do tropicalismo). Viajando pelas bandas (como Os Mutantes), os rostos, as polémicas e as lutas da Arte contra a forte pressão daquela época, em que o Brasil esteve dominado por uma ditadura opressiva feroz, Tropicália é uma fascinante viagem pelo mundo da música e do Cinema (por não só referir os momentos de vanguarda que o tropicalismo trouxe a essa arte, como também porque este documentário sabe funcionar como objeto cinematográfico, ao contrário de tantos outros, que confundem a televisão com esta linguagem). 

Foi um dos movimentos mais importantes do século passado, cuja irreverência e rebeldia se divulgou pelos quatro cantos do mundo (e ainda mais quando Gil e Caetano tiveram de se exilar na Europa), aproveitando a vaga de frescura e inovação que caracterizou toda a década de 60, passando pela influência de bandas como os Beatles e os Rolling Stones e as novas mentalidades que começavam a surgir, e cujas mensagens políticas e sociais nunca pararam de circular, mesmo que as oposições as tentassem calar a todo o custo.

Leiam a crítica integral no Espalha Factos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).