sábado, 19 de abril de 2014

8 1/2 - Via Castellana Bandiera [2013] / La Mia Classe [2013]


O primeiro de três filmes a serem projetados nesse dia [o sétimo da Festa do Cinema Italiano] foi este, enquadrado na secção Panorama. Um conto claustrofóbico e perturbante, onde duas mulheres são postas à prova… devido à sua própria teimosia. Vejamos: a estreia na realização da elogiada encenadora Emma Dante, com a adaptação do livro homónimo que escreveu, começa com situações banais entre dois mundos muito distintos que, minutos mais tarde, irão colidir de uma forma arrepiante. Com uma narrativa digna de Hitchcock (na forma de se conduzirem os elementos que elevam a tensão do filme, não no estilo cinematográfico – felizmente…), Via Castellana Bandiera é uma visão aparentemente minimalista, mas metaforicamente humana e universal, sobre os efeitos de uma pequena situação ridícula em toda uma comunidade, onde uma série de consequências desconcertantes e imprevisíveis são desencadeadas devido a uma disputa que não tem qualquer tipo de fundamento.


Quando se junta um ator famoso (Valerio Mastandrea) a um grupo de estudantes reais de italiano, que abrange as mais diversas faixas etárias, culturas e escalões sociais, o resultado pode parecer previsível… ou talvez não. O que Daniele Gaglianone nos proporciona é um ensaio fabuloso sobre a desconstrução do real cinematográfico, e dos vários níveis de ficção que uma história pode embarcar. Numa luta constante entre a encenação e o documentário (ou provavelmente, será uma coisa ainda mais complexa do que isso), La Mia Classe questiona o poder do Cinema e atribui-lhe novas componentes, brincando com a perspetiva do espectador num estilo que nos faz lembrar a proeza, meio documental e meio ficcional, que Abbas Kiarostami alcançou com o seu admirável Close-Up, de 1990.

Tudo o que vi no sétimo e antepenúltimo dia da Festa do Cinema Italiano pode ser lido na íntegra, em mais uma crónica escrita para o Espalha Factos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).