sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Tintin já tem 85 anos


Um dos meus heróis de infância não passava de uma figura fictícia que se aventurou por páginas de (geniais) álbuns de BD. Esse meu ídolo faz hoje 85 anos, e não perdeu, com o "envelhecimento", nenhum do espírito de aventura e mistério que o caracterizam desde sempre, continuando a conquistar miúdos e graúdos. 

Hoje em dia, o repórter mais famoso do mundo está não só nos livros, mas também em múltiplos jogos, programas de televisão e filmes (e só o mais recente é que consegue captar a alma do personagem criado pelo magnífico Hergé), e permanece uma figura espectacular, e um exemplo para todos os contadores de histórias da contemporaneidade. Um moço cheio de audácia, e com o qual eu e milhões de leitores de todo o mundo aprenderam certas lições morais e sociais que nos poderiam ter escapado, não fossem as peripécias deste herói. 

Não tenho um álbum preferido, mas este da foto («Os Charutos do Faraó») é um dos que mais vezes li em toda a minha "nerdice" de devorador de banda desenhada. A cada nova passagem encontro sempre pormenores novos e espantosos! Hergé fez uma obra não muito longa, mas cuja densidade e complexidade são inesgotáveis. 

Ao longo dos anos voltei várias vezes ao universo deste detetive e dos seus inesquecíveis e hilariantes comparsas, e felizmente, não é um universo infantil. Que tentem os mais velhos tentem aos livros, e encontrarão mensagens absolutamente surpreendentes de sátira e crítica social e ainda muito atual, reveladoras da inventividade e do génio do Criador. 

Muitos parabéns Tintin. Que contes mais 85, e mais 85, e assim por adiante. Até à eternidade. 

P.S. - E que estreie rapidamente o segundo filme da trilogia do Spielberg e do Jackson!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).