Vontade Indómita (The Fountainhead) [1949]


«The Fountainhead» é um filme que nos fala de um tema que, provavelmente, é ainda mais importante hoje do que no ano do seu lançamento, em 1949: o poder do conformismo e o domínio desta forma de estar, que despreza a originalidade e a criatividade que faz sobressair certos autores de outros. É um filme essencial hoje, apesar das críticas negativas que a ele possam ser feitas (tanto como o desajuste da épica banda sonora de Max Steiner, como de uma ou outra performance, como também do argumento, escrito por Ayn Rand, a autora do livro homónimo em que se baseia, e que pode ser considerado demasiado sumptuoso e incorreto para a linguagem cinematográfica - mas ninguém pode negar a grande força de muitos dos seus diálogos), porque o seu protagonista, com uma "vontade indómita" (como nos diz - e bem! - o título português da fita) de querer ser original numa sociedade que deseja cada vez mais transformar-se num aglomerado de vulgaridade. «The Fountainhead» é um filme, mas também consegue ser um espelho da constante luta de muitos autores nos estúdios de Hollywood, onde a criatividade e as boas ideias são, não raramente, destruídas por outra "vontade indómita" - a da sede pelo lucro, da conquista de prestígio, da feroz competitividade que, ainda na atualidade, se sente entre as grandes fontes da indústria cinematográfica norte-americana. Ouvimos uma das personagens dizer a certa altura que "não há lugar para a originalidade na arquitetura", profissão em que se enquadra Howard Roark, o protagonista interpretado por Gary Cooper, e que quer ferozmente destacar-se no seu meio, onde a maioria combate a originalidade e quer apenas produzir aquilo que o público quer ver, em vez de utilizar a sua arte para poder inovar toda a conjuntura. «The Fountainhead» é, assim, uma obra invulgar no que era habitual ser produzido em Hollywood em finais dos anos 40, que, ironicamente, combate o tradicionalismo e as convenções com as ideias-chave da sua história, mas ao mesmo tempo, entra também nas convenções do Cinema americano com a sua estrutura formal a beber muito das formas clássicas (e algumas intenções visuais estão já datadas, mas são ainda deliciosas), que, felizmente, ganham um novo fôlego graças à grande invulgaridade da narrativa (apesar de alguns aspetos também muito habituais, como o romance exagerado e teatralmente expressivo entre Cooper e a personagem de Patricia Neal - e com o filme, a relação prolongou-se para lá da ficção cinematográfica) e da hipnotizante realização de King Vidor, que paira entre o melhor do expressionismo do film-noir e a grandiosidade dos épicos americanos.


Muitas foram (e continuam a ser) as personagens contestatárias do Cinema de Hollywood. Lembremo-nos de, por exemplo, a excecionalidade emotiva e argumentativa do Jefferson Smith do filme de Frank Capra «Peço a Palavra», um único homem a combater toda uma maioria corrupta e que se deixou levar pelo sistema que ele acusa e condena no seu longo e resistente discurso no capitólio. Howard Roark combate também o sistema, mas o que vigora no mundo da arquitetura e que toda a gente pretende não largar, o que lhe traz dissabores (enquanto todos os colegas sobem na carreira por se manterem na norma, a criatividade e inventividade deste arquiteto impede-o sequer de, muitas vezes, conseguir arranjar trabalho. E quando o corajoso Howard vê as oportunidades surgirem, não cede nem pela mais pequena e abusiva alteração que os seus clientes queiram executar no seu trabalho). É curiosa a sinceridade com que os "maus" do filme assumem a sua opinião que arruína tudo o que de novo pode surgir na Arte com uma grande sinceridade, dizendo todas as coisas que todos nós sabemos que são verdade, mas que não estamos acostumados a ouvirmos as pessoas falarem sobre elas (principalmente os indivíduos que, nestas questões de corrupção/censura, estão envolvidos). É a realidade que é retratada sem constrangimentos, numa película onde as personagens atacam os seus alvos sem meias medidas ou mensagens subliminares. «The Fountainhead» é o individualismo de Roark contra o "lobby" da coletividade e da standardização de ideias, que ele combate por todas e quaisquer ocasiões. Esse "lobby" ganha adeptos e a adesão das massas pela sua grande influência junto do cidadão comum, o que pode arrasar mentes brilhantes que, como Howard, se arriscam a fazer algo de original no meio de tanta "palha" igual e sem ponta de interesse. 


«The Fountainhead» é um tesouro de Hollywood que, felizmente, tem vindo a ser redescoberto e reavaliado com a chegada de novas gerações à magia da Sétima Arte. Tem erros e coisas duvidosas? Sim, como muitos outros filmes têm, e isso vê-se no facto de não ser um filme bem equilibrado, flutuando entre os mais brilhantes momentos e uma ou outra parte mais exagerada e despropositadamente sentimental. Mas é de louvar encontras fitas que consigam passar mensagens tão importantes, e de forma tão densa e complexa, como a que passa este título. Relembrando a importância a que deve ser dada a individualidade, que nunca poderá ser destruída, King Vidor filma uma história atualíssima, para a humanidade nunca esquecer como a originalidade faz sempre a diferença na maioria, uma ditadura da popularidade que impõe uma certa tendência de gostos e opiniões que querem superiorizar-se constantemente face à mui grande diversidade de coisas que temos para descobrir (e que, infelizmente, nunca conseguiremos conhecer na totalidade). «The Fountainhead» é um caso ímpar e de grande mérito no Cinema Americano, e uma autêntica lição para um mercado que, tal como qualquer outro, nunca quis sobressair dessa específica ditadura. Nem em 1949, nem muito menos neste nosso século XXI.

* * * * 1/2


Para os interessados, o filme pode ser visto na íntegra, e legendado em espanhol, no Vimeo.

Comentários