Rumo a 2014


No último dia de 2013, resta à Companhia das Amêndoas desejar a todos os seus leitores as melhores entradas para o novo ano que está aí à espreita. Vamos todos pedir coisas boas na altura de comer as passas e de saltar da cadeira com o pé direito de uma cadeira, pode ser? Sim, as coisas estão péssimas, mas é ainda giro poder ter-se uma esperança, no último dia de cada ano, de que o novo ano vai ser completamente diferente, e não só porque o calendário vai ter de ser alterado. Talvez as esperanças possam ser desta vez concretizadas... "esperançemos" por isso.

O ano foi recheado de grandes acontecimentos, mas já há publicações e sites a mais a fazerem a retrospetiva dos acontecimentos memoráveis de 2013. Por isso, apenas digo mais que a Companhia continuará a publicar coisas durante os próximos 365 dias, apesar de, como podem ter já reparado, a periodicidade ter vindo a ser mais reduzida na última temporada. É que a minha escrita é bastante monótona e repetitiva (e são cada vez menos as ocasiões em que me apetece dissertar sobre fitas com maior extensão), e o cansaço, a falta de tempo e o maior gosto por ver filmes do que de escrever sobre eles (é preciso ser-se sincero: as horas que "perco" no blog não me deixam, muitas vezes, equilibrar o pouco espaço temporal para fazer todas as coisas que o escriba gosta), não tem auxiliado a um maior investimento de posts no blog. Mas cá permaneceremos, sempre com novidades. Há que compreender: a vida, felizmente, não passa só por este estabelecimento "online". E não, a culpa não é do Espalha Factos, onde faço artigos com muito gosto e dedicação, e graças ao qual tenho assistido a diversas fitas que, de outra forma, me seria impossível de ver.

Portem-se bem, beijinhos, abraços e muitos palhaços (sim, porque o dia é para ser de folia, e por isso permite-se a palhaçada mesmo neste estaminé)!

A Companhia volta daqui a uns dias, já em 2014! ;)

Comentários

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).