segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Ben-Hur [1959]


When the Romans were marching me to the galleys, thirst had almost killed me. A man gave me water to drink, and I went on living. I should have done better if I'd poured it into the sand!

Talvez seja o mais grandioso épico americano de todos os tempos, e a sua espetacularidade mantém-se incrivelmente sedutora: «Ben-Hur», o primeiro filme a arrecadar onze prémios da Academia (feito que só voltou a ser alcançado com o mui duvidoso «Titanic» de James Cameron) e que tem em si as componentes do género épico, reunidas aqui em todo o seu esplendor: desde a fabulosa câmara "ultra" widescreen (que dá a obra, se for vista numa televisão analógica, uma brutal pequenez, que as televisões tentaram adulterar com versões hereticamente cortadas para 4:3) ao espantoso technicolor e à grandiosa banda sonora, que começa com a portentosa overture no tema que pretende introduzir o público para o espetáculo épico que irá presenciar (uma composição verdadeiramente inspiradora de Miklós Rozsa), «Ben-Hur» é porventura o mais grandioso dos filmes de Hollywood que versam sobre temas bíblicos, e a dimensão religiosa plena de epicidade, glória e grandeza, é uma constante que pode fascinar ou repugnar espectadores (depende da tolerância de cada um), mas o que mais me interessou nesta demanda do visionamento do filme, é que ele reúne, ainda hoje, mais simpatias que inimizades, independentemente das crenças e gostos. É um feito que poucas fitas conseguem alcançar, mas o fenómeno de «Ben-Hur» é explicável: tem todas as coisas possíveis e imagináveis para agradar a qualquer pessoa (romance, moralidade, ambição, ação, vingança, poder, ah... e a corrida de quadrigas!), porque nele estão incluídas as maiores tragédias e glórias da experiência humana, com o toque da transcendentalidade da história de Cristo, que se cruza com a demanda de Judah Ben-Hur (Charlton Heston) de uma forma subtil, em certos momentos, e algo forçada, noutras alturas. Mas essa é apenas uma pequena parte de um filme glorioso e magnífico, que se rege pelo mais rígido puritanismo e conservadorismo americanos, mas que ainda é uma jóia de filme, que se superiorizou em relação a outras adaptações do livro do general Lew Wallace, que trouxe à cultura popular este herói improvável que conheceu Cristo no tempo em que reinava a cobiça e o domínio do império Romano. 


A história da feitura do livro de Wallace também merece ser descoberta: é que, tal como Judah Ben-Hur, que tantas vezes duvida e contesta o impacto da figura de Cristo, o seu autor também tinha essa postura quando começou a escrever a obra. Mas a pouco e pouco, e tal como a personagem literária e cinematográfica, a descrença desvaneceu-se e surgiu a crença no Cristianismo. Se bem que comparamos épocas distintas (a realidade em que Cristo viveu e a atualidade que Wallace presenciou), não se deixa de fazer um paralelo interessante entre o criador e a sua "criatura", que deverá ter sido mesmo condicionada pelo facto de que, quanto mais sabia o autor sobre o homem que, supostamente, queria desmascarar, menos intenções tinha, efetivamente, de proceder com o polémico retirar da máscara. É uma comparação psicológica interessante, sim, mas não nos esqueçamos do filme: a adaptação, realizada por William Wyler (que recebeu um dos onze Oscares pelo seu trabalho), tem as maiores intenções de apelar à crença, o que sai reforçado pelas interpretações muito teatrais onde, com muita pompa e circunstância, se fala sempre de Cristo com grande ênfase. E depois? O filme ganha ainda mais força, sensibilidade e beleza por essa tão óbvia pretensão. Faz parte da preparação deste grande espetáculo visual e sentimental, que vem de uma época onde, face à concorrência crescente da televisão, o Cinema teve de renovar e engrandecer os seus meios para não fazer esquecer os espectadores da maior vivacidade do grande ecrã, em comparação ao pequeno, que tanto menoriza este filme, que só visto nas maiores telas é que consegue transmitir todo o seu espírito. Mas há também aqui a rivalidade entre Ben-Hur e Messala, o servo do imperador romano que , cego com as ambições de poder que Roma lhe quer proporcionar, despreza a amizade de longa data com o judeu e com os seus familiares, danificando a sua vida e a sua posição na sociedade. Esta traição levará às intenções de vingança por parte de Judah, mas a amizade quebrada leva a que aconteça ao protagonista uma série de ocorrências que moldarão o seu espírito. E não estamos a falar apenas de Jesus Cristo, que sempre que surge (e nunca vemos o seu rosto) é como uma luz que paira sobre a perdida e irracional humanidade...


As divergências entre as culturas judaica e romana nos primeiros anos do calendário gregoriano mostram a repetição dos dramas da espécie humana: as ruturas continuam atuais, os protestos e as desigualdades entre povos e nações permanecem uma temática a ser resolvida ainda hoje. Mas talvez não seja essa metáfora que «Ben-Hur» e todo o seu tom épico pretende transmitir. Mas não há apenas (bom) entretenimento, que reside em magníficos e inigualáveis valores de produção, de realização e na belíssima e colorida fotografia. Há o classicismo no mais puro estado de clássico, que é engrandecido pela soberba mestria visual e pela qualidade do argumento. Pode ter algumas falhas e ser demasiado extenso para a atualidade, mas é um filme completamente delicioso. As cenas e os figurantes estão magnificamente planeados e executados, e as partes que não conseguimos aturar facilmente são postas de parte quando, a cada momento, nos entranhamos mais no estilo e na história de Judah Ben-Hur. Quando percebemos que este é um estilo que advém de uma certa época do Cinema, e que precisa de ser compreendido de uma maneira específica, deixamos de parte as queixinhas e aproveitamos para contemplar tudo o que a realização de Wyler tem para nos oferecer. «Ben-Hur» tem tudo o que possamos estar à espera de ver num épico: todas as convenções do género estão aqui, mas têm uma adição especial: o encanto próprio e único da fita. E também é preciso dizer que o filme conseguiu outra proeza: criar as suas próprias convenções, aqueles elementos que  fizeram o sucesso da obra e que Hollywood tentaria, sem qualquer êxito, repetir noutras luxuosas e dispendiosas tramas que, por não terem rendido tanta bilheteira como «Ben-Hur», acabaram por declarar o fim dos grandes épicos da indústria americana (o elemento fatal foi mesmo «Cleópatra», de Joseph L. Mankiewicz - e que não é uma fita assim tão má como alguns a gostam de pintar). E a originalidade inultrapassável da película está também presente nas partes que demonstram uma beleza e uma espectacularidade extrema, que são um regalo para os sentidos do espectador, que se sente tão diminuto perante tamanha grandiosidade artística.


Expoente máximo do Cinema como espetáculo (uma vertente importantíssima da Sétima Arte que não pode ser negada como parte integrante do seu valor de magnificiência), «Ben-Hur» apoia-se muito na fenomenal banda sonora, que faz com que o filme seja como que uma espécie de "mix" entre uma ópera e uma tragédia como as dos gregos, que eleva a história de amizade e vingança a um patamar majestoso. Não nos esqueçamos, também, do maravilhoso elenco, que ajuda a tornar até um pouco credível o lado mais exagerado de certas partes do argumento. E não nos devemos centrar apenas na mais famosa sequência do filme, a da corrida de quadrigas, mas é de aclamar o poder que ainda consegue ter. É um dos mais brilhantes e surpreendentes momentos da obra (e onde curiosamente a música está completamente ausente, porque aí o impacto reside pura e simplesmente na feroz concorrência daquela luta). «Ben-Hur» é uma grande lição de Cinema, de vida, de emoções, de religião, de ambições, de ideias, e das conquistas de Hollywood e da grande e intensa atividade que caracterizou esta grande indústria do Cinema, e que parece estar um pouco morta nos tempos atuais. O filme vem de uma época em que o Cinema queria mesmo impor-se como a arte superior das imagens em movimento. O espectador ganha mais ao ver, em condições apropriadas, um filme com uma alma tão gigante como «Ben-Hur», e ganha mais para a vida graças a uma experiência tão enriquecedora como esta. Talvez a contemporaneidade tenha muito para aprender com este género de Cinema, porque há que reencontrar a criatividade que houve em "tempos que já lá vão", e que parece estar cada vez mais esgotada.

* * * * 1/2

8 comentários:

  1. Finalmente... :) Fiquei com vontade de rever e de fazer um ciclo Sword and Sandal. Deixo também a pergunta, o que distingue um bom épico de um mau épico? Isto porque para muita gente um épico é um forma exagerada (e aborrecida) de contar uma história.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma boa pergunta! :)
      Para a qual não sei uma resposta. Não consigo deixar de achar o Ben-Hur um "pastelão", como o disse num fórum. Só que ao contrário de outros "pastelões", deste eu gostei. Há uma sensação de grandeza que não me tinha chamado à atenção antes, e que não vale apenas só da grandiosidade cénica e cinematográfica. Tem muito a ver com o íntimo de cada espectador. O meu preferido continua, no entanto, a ser o «Lawrence da Arábia», porque além de ser um grande épico, é tudo o resto! ;)

      Um grande Abraço,

      Rui

      Eliminar
  2. Alguns maus épicos - The Robe, The Greatest Story Ever Told, The Bible

    The Robe não chamaria mau, é mais mediano, quanto mais não seja devido aos avanços técnicos do scope.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o «Quo Vadis», que achas dele? Estava a pensar ver mas tenho as minhas incertezas... é outro daqueles épicos que vi sempre bocados na RTP (em péssima qualidade de imagem) e nunca tive vontade de visionar na totalidade...

      Eliminar
  3. Gosto de Quo Vadis, apesar de não tanto quanto Ben-Hur. Quanto mais não seja, é sempre bom rever aquele elenco de luxo - Deborah Kerr, Leo Genn, Peter Ustinov.

    ResponderEliminar
  4. Muitos anos atras ( década de sessenta este filme chegou as telas brasileiras sucesso
    eu assisti duas vezes e tenho as imagens até hoje vivas em minha mente. )

    Recomendo .

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).