As razões da Pirataria


Na na, senhores da ACAPOR. Ao contrário do que dizem neste artigo  não foi, na realidade, a pirataria (como uma figura que age sozinha e de forma maquiavélica) que esteve na origem da queda das receitas de bilheteira do Cinema em Portugal e do mercado home video. Ela teve antecedentes! Houve várias razões que, todas juntas, propiciaram e continuam a propiciar o crescimento dos downloads, e a culpa disso reside no próprio mercado cinematográfico! 

A pirataria tem várias justificações: 
- os preços incrivelmente altos dos bilhetes praticados na maioria das salas;
- a desorganização e falta de competência mostradas na escolha e na péssima divulgação dos filmes em exibição;
- a prepotência e a arrogância de certas entidades que tratam os espectadores e os nichos deste mercado (cada vez mais essenciais!) com desprezo e arrogância e que os tomam como parvos;
- o atraso elevadíssimo de muitas estreias em relação a outros países (Portugal é ainda dos poucos que estreia filmes de 2010 em 2013, por exemplo!); 
- e as edições DVD/Blu-ray estupidamente caras (e muitas delas supérfluas), cuja qualidade está cada vez a piorar mais e que, muitas vezes, de tão más que são, fazem com que um filme em rmvb (um dos formatos de vídeo da web mais rascas que há) se possa assemelhar a um espetacular HD!

Pelo amor de Deus! Quando vai chegar o dia em que as empresas cinematográficas (e organizações duvidosas como a ACAPOR) se aperceberão que foram elas que ajudaram a fomentar a pirataria?!

Comentários

  1. Comentar pode ser apresentado como grátes, mas de certeza que vai encarecendo com o número de caracteres, por isso digo só: Concordo :)

    ResponderEliminar
  2. Rui, quando dizes que são as empresas a fomentar a pirataria, podes ainda ir mais longe. Dá-se geralmente o exemplo da Sony (como se pode dar de outras) por ser produtora de cinema, música, etc, e vender os tais aparelhinhos de leitura que os "piratas" usam. Na verdade a Sony ganhou mais dinheiro desde o advento do mp3, e agora dos downloads de vídeos, que ganhava antes a vender filmes e música. Penso que isso diz tudo. Muita gente protesta com falsos pudores, mas poucos põem o dedo na ferida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem visto, não me tinha lembrado disso!

      Eliminar

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).