A Conspiração do Silêncio (Bad Day at Black Rock) [1955]


Existe sempre alguém a procurar alguma coisa nesta parte do Oeste. Para o historiador, é o Velho Oeste. Para o escritor, o Oeste Selvagem. Para o empresário, é o Oeste subdesenvolvido.

O filme começa e um comboio chega à pequena cidade de Black Rock. É a primeira vez em quatro anos que esse transporte pára naquele local. De lá salta John Macreedy (Spencer Tracy), um homem que não pretende passar muito tempo por aquelas paragens e que tem uma questão a pôr aos habitantes de Black Rock. Mas todos (ou quase todos) são hostis para com Macreedy, que começa a aperceber-se que há um grande segredo de que todos têm conhecimento, mas que nenhum quer deitar cá para fora. E todos se questionam a presença de Macreedy na cidade, inclusive Reno Smith (Robert Ryan), o líder de um grupo que domina, com medo e chantagem, todas as poucas pessoas de Black Rock. 


E tudo isto se passa em oitenta e um minutos de filme, nesta preciosidade cinematográfica que dá pelo nome de, em língua lusa, «A Conspiração do Silêncio». Um filme curto, mas sensacional, onde cada frame deve ser saboreado de uma maneira especial (e daí, isto torna difícil atribuir-lhe nota. Que vil tarefa!) É uma obra que, não sendo um western propriamente dito (não se situa cronologicamente nessa época, mas sim em 1945, dois meses após o final da Segunda Guerra Mundial), acaba por sê-lo na sua estrutura e na construção da psicologia das suas personagens, tal como pela perspetiva de atraso, de paragem no tempo e de uso de velhos costumes que estão perpetuados na cidade de Black Rock, que tem todos os elementos que associemos às cidades dos filmes de Ford, Leone, e tantos outros. E muitos associam o "silêncio" dos cidadãos de Black Rock às negações que são feitas por diversas personagens ao xerife interpretado por Gary Cooper em «O Comboio Apitou Três Vezes», que se vê sozinho contra o bando de patifes que estão prestes a chegar de comboio... 


Realizado por John Sturges (responsável pelo estrondoso épico «A Grande Evasão»), «A Conspiração do Silêncio» é um filme grandioso (por ter sido feito em Cinemascope e, graças a isso, consegue captar uma atmosfera de thriller que se aproveita muito bem do colorido da fotografia) que, ao ser acompanhado pela astuta banda sonora de André Previn, origina uma combinação luxuosa e rara com os elementos que fazem o que de melhor o Cinema Americano sabe fazer, e que mais ninguém consegue imitar, felizmente. Na cidade que "recupera" as lendas do Oeste (ou pelo menos, o lado real e menos fantástico da coisa), todos receiam o que Macreedy pode causar naquele ambiente, devido às suas múltiplas perguntas e eventuais descobertas feitas em alguns momentos-chave do filme. E depois há mistérios dentro do mistério, porque ficamos sem saber, afinal, quais são os propósitos de Macreedy. Desconfiamos de todas as personagens tal como elas não têm confiança umas nas outras. E no final, culminando todo um grande crescendo cinematográfico, onde a tensão e a perplexidade aumentam a cada cena, tudo se conclui de uma forma perspicaz. Algo expectável, é certo, mas não é isso que danifica a construção arrepiante e impressionante deste filme, que continua firme entre os grandes títulos de renome da cinematografia dos EUA.


Cheio de diálogos eloquentes e inspirados, «A Conspiração do Silêncio» é também uma crítica subversiva ao McCarthyismo (que aqui, e ao contrário de «High Noon» - que via o "silêncio" dos personagens como a sua cobardia em não quererem ajudar o protagonista dos apuros que o cercam -, reside no facto de todos saberem que há algo que está mal, mas ninguém tem coragem para denunciar o problema) e a uma conceção de Poder que, à boa maneira dos filmes do far-west (veja-se também o exemplo de «O Homem que Matou Liberty Valance»), se regula pura e simplesmente pelo Poder descontrolado e opressivo de um determinado grupo de pessoas, desmioladas e sem grande sentido de Lei e/ou Ordem. Com um fascinante trabalho de câmara (porque pega em coisas muito simples e transforma-as em grandes momentos de Cinema) e interpretações fabulosas de um elenco escolhido a dedo (Tracy e Ryan são inigualáveis, assim como Ernest Borgnine, Lee Marvin, Walter Brennen, Anne Francis, Dean Jagger, entre outros), «A Conspiração do Silêncio» também mostra, como em «Valance», a solidão de uma cidade em relação à totalidade em que está inserida, e a forma como ela "orgulhosamente" se afasta desse todo para se poder afirmar (pelo menos entre os seus habitantes) como um pólo independente, que não necessita de ajudas exteriores e que pode limitar a sua vida ao seu pequeno espaço de ocupação. E daí advém toda uma vida diferente, e todas as consequências que esta traz. Faz muito lembrar o caso português, onde nas pequenas aldeias, todos se conhecem e sabem as vidas uns dos outros, guardando segredos eternos ou espalhando boatos implacáveis sobre os outros. Com o poder da maioria forçada se faz o jogo de mistérios e encruzilhadas de «Bad Day at Black Rock», um filme que, apesar de estar cheio de cor e de vivacidade visual, tem um lado muito, mas muito negro.

★ ★ ★ ★ 

Comentários