quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Majora


É uma notícia triste, esta. A Majora, uma das marcas portuguesas de brinquedos mais lendárias de sempre, vai fechar as suas portas.

Foram e continuam a ser muitas as horas investidas nos famosos jogos editados pela marca durante muitas décadas. Joguei muitas vezes ao «Sabichão» e ficava sempre espantado com o pouco que eu sabia sobre, praticamente, quase todas as matérias que o senhor sabia de trás para a frente. Disputei e ainda disputo diversas partidas de xadrez com familiares durante os períodos de férias. «Monopoly» (o original da Majora mesmo!), jogos de cartas, damas, o tão famigerado (e estranho) «Jogo da Glória»... as memórias e as brincadeiras são infindáveis.

O mercado está demasiado competitivo. E a vida passa demasiado depressa. E não pretendo ser saudosista mas... estes jogos de tabuleiro e todas as outras variantes foram muito mais divertidas para mim do que muito jogo de vídeo pode ser para os seus utilizadores. Os jogos tradicionais vivem mais de um ambiente que não quer ser o mais realista, o mais puro e o mais repleto de adrenalina. Querem apenas proporcionar um bom tempo de divertimento para todos, de forma simples e simpática. E conseguiram mesmo fazer isso. E só tenho de agradecer à Majora. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).