quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Frances Ha [2012]


Este filme foi o alvo da primeira crítica cinematográfica que escrevi para o site Espalha Factos e que foi publicada há poucos minutos nesse estaminé. Aqui deixo um excerto da mesma, mas para a poderem ler de forma mais aprofundada e vá, interessante, não deixem de espreitar o meu textinho integral, que não leva tanto tempo a ler como as críticas habituais deste blog. E não abram só o link para verem a classificação que atribuí ao filme, pode ser? Fitas como esta valem muito mais do que uma mera nota numa escala de 0 a 10 (que é a que é usada no EF). Acedam à crítica completa aqui.

Filmado a preto e branco e realizado por Noah Baumbach (responsável também por Greenberg e A Lula e a Baleia), Frances Ha é uma comédia com toques de drama que não deve tanto a Woody Allen (e ao seu mítico filme Manhattan) como alguns críticos quiseram mencionar, sendo apenas visível a referência em algumas cenas de diálogo entre as várias personagens da obra e que nos recordam muito do neurotismo que caracteriza a filmografia do comediante. 

Fabulosa obra que possui uma alegria contagiante, Frances Ha toca-nos como poucos filmes conseguem, por abordar os sonhos e as ambições dos seres humanos através de uma figura tão ingénua, mas ao mesmo tempo, tão reveladora da forma como a juventude e a idade adulta se afastam em termos de sensatez e de tudo aquilo que faz parte de nós e que queremos mostrar aos outros.

Frances Ha é um filme independente, feito fora das exigências do circuito de Hollywood, mas que é tão doce como qualquer comédia romântica produzida pela indústria norte americana, e é muito mais inteligente do que toda uma série de filmes que afirmam ter uma complexidade gigantesca. Quem não deseja ser feliz e, tal como Frances, quem não quer concretizar mesmo os sonhos que planeou para a sua vida?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).