Memória de Elefante: o primeiro livro de António Lobo Antunes


Estreia literária de António Lobo Antunes, um dos nomes mais marcantes da literatura portuguesa contemporânea, «Memória de Elefante» é uma primeira obra original e irreverente, que marca pelo pendor autobiográfico e pela influência que a Guerra Colonial teve, inquestionavelmente, no escritor e em várias das suas obras posteriores a esta inicial. Seguimos o dia na vida de um psiquiatra, que participou no Ultramar, e que no presente da narrativa é um homem desiludido consigo próprio, mas que também não parece querer fazer alguma coisa para sair da situação em que se encontra. Os erros e os arrependimentos que rodeiam o seu passado e o presente da sua vida e carreira profissional são muitos e são-nos descritos ao longo de toda a narrativa, de uma forma embrionária daquilo que viria a ser, mais tarde, o estilo inconfundível de Lobo Antunes. Repleto de referências, metáforas e de uma autêntica prosa poética numa escrita pura e duramente pessoal, mas transmissível, que diz muito para não dizer nada, «Memória de Elefante» foi uma estreia diferente e provocadora que muito bem lançou um dos maiores autores de língua portuguesa, e eterno candidato ao prémio Nobel, que se lê com proveito e onde cada frase dá prazer de ser lenta e suculentamente mastigada. 

Comentários