quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Blue Jasmine [2013]


Woody Allen e toda a sua filmografia serão sempre dominados por um estigma que o público português (ou pelo menos, grande parte dos espectadores tugas) nunca se irá esquecer e nunca pararão de associar ao cineasta: é que ele foi (e ainda é) especialista em grandes comédias neuróticas, onde as pessoas gostam de se rir à gargalhada de coisas que, muitas delas, não entenderam patavina (é quase uma gargalhada de "status"). Daí que na sessão de antestreia de «Blue Jasmine», o novo filme de Allan Stewart Konigsberg, no Cinema do Campo Pequeno, onde estive presente, muita gente tenha pensado que o que estavam a ver era uma verdadeira comédia, e muitas gargalhadas despropositadas em muitas potentes cenas trágicas (se houve pessoas que se riram do final deste filme, devem talvez achar muita graça aos dramas de «A Lista de Schindler» ou de «O Padrinho» - porque é que é tão difícil perceber que nem tudo é para rir numa comédia? Para algumas pessoas o rótulo de "humor" dá-lhes permissão para se rirem de tudo e mais alguma coisa, inclusive de coisas que não têm qualquer tipo de graça?) da história protagonizada excecionalmente por Cate Blanchett (digo aqui e não mudo de opinião: ela VAI levar o Oscar para casa - e se depois a opinião da Academia não for a mesma que a minha, não vou mudar este texto!). Mas «Blue Jasmine» tem mais para chorar, ou pelo menos pensar, do que gargalhar: há grandes momentos de comédia, mas nada se compara à força do drama vivido por Jasmine e toda a crítica social que Woody Allen coloca nesta sua protagonista e anti-heroína. Num dos filmes mais aclamados de toda a carreira do comediante e realizador (com tantas marcas do seu estilo muito próprio a voltarem a deslumbrar-nos - a começar logo pelos créditos iniciais e aquele tipo de letra que diz tanto aos fãs de Woody), encontramos uma metáfora e uma história que poderia encaixar em tantas vidas, e em tantas pessoas que conhecemos no nosso dia a dia. Jasmine é uma pessoa que não quer acreditar no declínio da sua própria existência, levada a cabo por uma série de fatores e de factos que "destruíram" o seu passado milionário, luxuoso e repleto de excessos (e que nos são revelados ao longo de toda a ação e de toda a narrativa da fita, onde seguimos dois fios temporais, contados de forma intercalada, o que dá uma construção cinematográfica bastante interessante e reveladora, em que ambos os "mundos" cronológicos acabam por encaixar em certos pormenores e situações: o passado e as consequências que levaram ao fim da vida aparentemente feliz e segura de Jasmine, e o presente, onde a encontramos depressiva, reencontrada com a irmã adotada - tal como ela - e a recusar encontrar um novo caminho para si mesma - ou pelo menos, quando tenta fazer isso, nem sempre tudo acaba bem, acabando por arruinar mais um pouco todas as pessoas que a rodeiam e que a tentam levar à razão. Os dois tempos são também atravessados pela viagem por dois estratos sociais diferentes, o dos ricos e o da "vulgaridade" do povo). Quanto de Jasmine estará em cada um de nós, ou pelo menos, na perceção do mundo de cada ser humano? Algumas pessoas levam mais a sério do que outras esta história e as dúvidas que ela coloca (e sim, volto a falar das gargalhadas indesejáveis, e de pessoas que não perceberam que aquilo que se passava no ecrã é extremamente real e profundo - não estamos a visionar nenhum romance neurótico ao estilo de «Annie Hall», e ainda bem!), mas fiquei com a ideia de que estamos perante uma das melhores e mais inteligentes obras saídas da mente e criatividade de Woody Allen. E isto já é dizer muito, sobre aquele que será, efetivamente, um dos melhores filmes a estrear nas nossas salas este ano. Já para não falar que a vinda de uma nova fita de Allen é sempre alvo de um grande acontecimento e de grandes expectativas por parte de público e de crítica, que já vive sempre à espera, anualmente, de um novo bombom cinematográfico da autoria de um dos maiores mestres do Cinema Americano "livre" e tão perspicaz.


«Blue Jasmine» é um filme onde ouvimos diálogos "woodyallenianos" que já não se faziam aparecer há muito tempo (e se o cineasta recebeu o Oscar de Melhor Argumento Original com «Meia Noite em Paris», com este merecia o mesmo ou mais! Mas prefiro apostar todas as minhas certezas na Blanchett, é impossível alguém não ficar arrasado com a sua performance!), e possuindo toques de «Um Elétrico Chamado Desejo» (pelo pouco que conheço da peça de Tenessee Williams isso é notório), mas também de anteriores filmes de Allen, como «Alice» (mais uma crítica a uma elite social e a um certo modo de ser e estar para o "status") e todas as suas obras que lidam com temáticas amorosas ou de relacionamentos, constrói-se uma história tão rica em pormenores, sátira e inteligência como foram feitas poucas nos últimos tempos. É, talvez, um daqueles filmes "especiais" de Allen, onde sentimos aquele espírito que só as suas obras primas sabem transmitir a quem queira estar atento a elas. E com um fantástico elenco (não só com Blanchett a brilhar, mas também com os notáveis Peter Sarsgaard, Alec Baldwin, Bobby Cannavale, Sally Hawkins e Louis C.K - sendo que, para este último, o realizador já mostrou intenções de voltar a filmar com ele, mas para um papel não tão secundário -, entre tantos outros), «Blue Jasmine» recria o drama existencial que é o de toda a Humanidade, para além da busca do nosso papel na sociedade, que constantemente fazemos e da qual nunca desistimos, ou pelo menos nunca queremos desistir. Numa brilhante alusão à riqueza, ao mundo dos ricos e a todas as suas incongruências, Woody Allen conjuga-a muito bem com a vida da classe média e de todos os pontos que sejam possíveis, ainda, espicaçar na mesma. Jasmine, qual discípula dos inúmeros convidados sorrateiros das festas de Jay Gatsby na obra de F. Scott Fitzgerald, pretende, no passado, encontrar o seu lugar na alta sociedade, e no presente, não ter de se desabituar às rotinas que o mundo dos ricaços proporcionou e não ter de pensar que os tempos luxuosos vividos com o seu ex-marido nunca poderão voltar. Mas ela não quer, pura e simplesmente, olhar para as coisas e perceber que, agora, a situação é diferente, que está falida, e que o seu "dom" de gastadora viciada não para, mesmo que já não tenha dinheiro para continuar a dar nas vistas com as suas marcas caras e estupidamente "fashion" sem qualquer razão racional. O passado e o presente contrapõem-se constantemente, com Jasmine a mudar segundo as suas necessidades (dantes nunca falava com a irmã, ou desprezava-a descaradamente, e agora que precisa dela é como se tivessem sido sempre muito íntimas uma da outra - não conhecemos tantas pessoas que são assim, minhas amigas e meus amigos?) e a perceber que o passado ainda é presente... mas nas coisas indesejáveis que ela não quer recuperar do vasto núcleo de memórias que possui da sua vida anterior, e que ainda a afetam muito na atualidade cinematográfica da sua história, querendo aparentar que nunca teve esses problemas (mas a sua saúde, e a sua doença, não vai deixar que ela esconda bem esses traumas ainda tão vivos...).


«Blue Jasmine» é um filme sobre as máscaras dos outros, sobre as nossas máscaras, e também sobre as máscaras que usamos uns com os outros. Do mundo dos apertados, rígidos e desnecessários códigos sociais (onde um pequeno e acidental movimento pode dizer, a todos os convidados de uma festa, que o seu anfitrião já não tem tantas propriedades como antes, ou que mostrar uma mala da Chanel ou uma certa maneira de falar, arrogante e superficial, caracteriza o "status monetarium" da persona em questão), Jasmine tem que se adaptar ao mundo, mais livre mas não menos apertado, da classe média e de todos os seus problemas. A história de Jasmine mostra-nos como a riqueza muda as pessoas, antes e depois de uma pessoa ter passado pelas experiências que grandes somas de dinheiro podem proporcionar, num mundo onde ninguém é de confiança e onde nos podemos destruir de um momento para o outro de uma maneira assustadora. Com, mais uma vez, uma excecional e colorida fotografia que tem caracterizado os últimos filmes de Woody Allen (de maneira mais notável, em «Meia Noite em Paris»), «Blue Jasmine» intercala simplicidades e excessos de uma forma audaz, e que muitos não estariam à espera de ver num realizador que, insistem alguns ditos "especialistas", já deu tudo o que tinha a dar. De um extremo ao outro da vida social, viajamos com Jasmine e todas as personagens secundárias que com ela convivem, conhecendo cada vez mais ao pormenor a psicologia estranha e complexa de uma das figuras mais peculiares criadas pelo cérebro e pela caneta do cineasta, e surpreendendo-nos pelas múltiplas facetas em que a mesma se desdobra e que, em certos momentos da trama, nos parecem ser inacreditáveis. Ou que, pelo menos, Woody Allen foi inspirar-se para este filme pegando no caso de um nosso vizinho ou conhecido que conhecemos bem demais. Jasmine não quer ser inferiorizada, apesar de, depois de tanta ascensão social e de todas as (injustas) vantagens que a ela trouxeram e que ela não soube partilhar com quem estava mais próximo dela, ter-se instalado o declínio na sua vida que, ao que parece, não tem motivos para continuar sempre em "ação". O argumento de Woody Allen revela um lado espirituoso e astuto que, é preciso dizer, ele já não revelava há algum tempo (talvez desde «Match Point», ou em parte, em «Meia Noite em Paris»), e que dá ao filme aquela dimensão especial que, para mim, e para além de «Blue Jasmine», só «Ana e as Suas Irmãs», «Crimes e Escapadelas» e «Match Point» conseguiram conquistar: Woody fez aqui outro filme excecional, dos poucos que nenhum pessimista pode alegar que é mais uma prova da constante "repetição" entre os filmes mais recentes, menos originais mas não menos bons, da filmografia do cineasta, que aqui decidiu regressar ao seu país de origem, depois de uma temporada pela Europa onde filmou as suas obras e as suas ideias nos últimos anos. É impossível sair da sala de Cinema e ficar-se na mesma depois de se ver «Blue Jasmine»: ou se acha que se viu uma grande comédia, comparável ao "hit" do momento, «A Gaiola Dourada» (eu sei que os tempos estão difíceis e que as pessoas precisam, mais do que nunca, de rir. Mas não confundam coisas. Há momentos para humor no filme mas não é essa a dominante, e há muito mais para pensar depois, em casa ou para a vida, do que memórias de momentos hilariantes para contar aos amigos), ou então, percebe-se que acabou de se ver uma obra preciosa e verdadeiramente inovadora, em Woody Allen e no panorama moderno das fitas Americanas.


Jasmine é uma mulher que nunca se preparou para a vida real, e numa história repleta de sarcasmo existencial e de uma credibilidade tão forte que até por vezes assusta, ela é apenas uma alegoria para todo o género humano e para a sociedade americana, tão livre numas coisas mas tão ridícula noutras (como, aliás, é o caso de qualquer outra sociedade ou país - não, não vamos falar de Portugal, pois não? Ainda bem), como também é apenas um símbolo da profunda crise que o mundo ocidental atravessa, mas que, no mundo dos ricos, é quase como nada se passasse e os excessos e as festas pudessem continuar a ser concretizadas. «Blue Jasmine» é a influência da opinião dos outros em cada um de nós, e as coisas que estamos dispostos a fazer para mantermos o nosso lugar na pirâmidade estratificada do meio a que pertencemos. Mas devemos seguir os nossos sentimentos e as nossas ambições ou deixarmo-nos levar pela ansiedade do "status" e de tudo o que o mesmo representa? E mesmo que Woody Allen volte aos mesmos temas (principalmente a uma certa crítica de «Alice», como referi anteriormente), consegue sempre surpreender e, neste caso, de uma forma ainda maior. Jasmine deixou que um mundo construído com mentiras e/ou ilusões lhe levasse, quase que se pode dizer assim, a sua alma, e as transformações que ela experimenta, na sua relação com os outros e na sua relação consigo mesma, são um espelho de toda uma classe e das outras todas também, ou pelo menos, das pessoas que só querem, desesperada e estupidamente, a ela pertencer. É um filme de referência, uma das obras maiores de Woody Allen. Já expliquei tudo o que tinha a explicar, e que anotei fervorosamente em várias folhas de um bloco de notas durante a sessão. Por isso, resta apenas que agora vão ver esta magnífica peça cinematográfica.

* * * * *

4 comentários:

  1. tu escreves mesmo bem, e já me convenceste a ir ver este filme, ainda que eu não seja a maior fã do woody. mas adorei o meia-noite em paris! esse também está imperdível.

    ResponderEliminar
  2. Well, eu já tinha expetativas para o filme, mas esta crítica aguçou-mas bem mais, para ver quanto antes!
    Quanto a esse quesito que referiste no início, do riso inconveniente, tenho uma memória parecida de quando vi o Young Adult no cinema, no ano passado, um filme a que também dei 5 estrelas no meu blog, com uma personagem principal, interpretada soberbamente pela grande Charlize Theron, que, vá, parece até ter uma certa semelhança psicológica com esta Jasmine. Era uma comédia, também, mas as tais coisas engraçadas, de que o público tanto ria, até me deixavam embaraçado de olhar, tamanha a descontextualização e tristeza daquela mulher. Mas o público ri-se, porque está habituado a comédias sexuais (espero não estar a dar ar de pudico xD), e numa comédia dessas esses acontecimentos teriam piada, mas ali não, demonstram uma decadência pessoal enorme, é suposto deixarem-nos tristes e sensibilizados, quem tiver dois dedos de testa percebe, I guess. Desculpa lá o testamento, foi mais para dar a entender que compreendi o teu "drama" xD

    ResponderEliminar
  3. Obrigado pelo comentário, e manda testamentos sempre que quiseres pois eu gosto de os ler! :)

    Abraço,

    Rui

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).