segunda-feira, 12 de agosto de 2013

A Leste do Paraíso (East of Eden) [1955]


«A Leste do Paraíso» foi a estreia do mítico James Dean como protagonista cinematográfico (numa carreira que só iria durar apenas para mais dois filmes, devido ao fatal acidente que vitimou o ator). E basta apenas isto para incluir este fabuloso filme realizado por Elia Kazan na História do Cinema Americano. Mas há mais: «A Leste do Paraíso» é a queda do sonho americano e de uma família conservadora assente em ideais estritamente bíblicos e rigorosos (sendo que todo o filme - incluindo o título - parte de citações ou passagens da Bíblia, e o nome dos dois irmãos faz referência à história de Caim e Abel), onde dois irmãos (um bem comportado, outro outsider e sempre rebelde e que parece estar constantemente fora do baralho do pequeno agregado familiar aparentemente feliz, para o qual a Mãe, desaparecida, é um tema tabu) se opõem com o objetivo de agradarem ao seu Pai, em Monterey, no ano de 1917. Na época em que Hollywood engrandecia o Cinema com mais e melhores inovações técnicas (neste caso, o Cinemascope) face ao crescimento acelerado da Televisão, o que deu aos EUA um dos períodos mais férteis da sua existência (é nesta década e na de 60 que nascem os grandes épicos estrondosos como «A Ponte do Rio Kwai» e «Lawrence da Arábia»), com espectáculos de magnificiência absoluta onde tudo era pensado em Grande (incluindo as maravilhosas bandas sonoras - e «A Leste do Paraíso» não é exceção, graças à brilhante banda sonora composta por Leonard Rosenman, que está presente na obra de uma forma muito forte, abrindo-o até com uma "overture" magnífica), «A Leste do Paraíso» conquistou o público ao longo dos anos pelo fascínio que emana, graças também às interpretações do elenco (a de Dean é completamente icónica!) e ao guião de Paul Osborn, que teve de adaptar o longo romance homónimo de John Steinbeck para uma fita de duas horas de duração. E recebeu a aprovação do autor da história de Cal e Aron (os bastidores do filme estão muito bem revelados nos extras da edição DVD), esta adaptação que lida muito bem com os segredos, as mentiras e as perversidades que rodeiam o passado de uma família que parece ser tão certinha e respeitosa. 

Um dos muitos momentos em que a relação entre Cal e o seu Pai fica um pouco delicada. Mas durante as filmagens, diz-se que estes dois atores também nunca se deram lá muito bem...
Ambientado nos turbulentos anos da I Guerra Mundial, com a agitação da entrada no conflito e as consequências e os problemas trazidos pelo mesmo (numa cena vemos um ataque preconceituoso e xenófobo da população de Salinas a um habitante alemão, tudo por causa da guerra e do papel da Alemanha na mesma), «A Leste do Paraíso» é um filme grandioso também na sua realização (a do Mestre Elia Kazan, o "realizador dos atores" e que tão bem dirigiu Marlon Brando em «Há Lodo no Cais», que no ano anterior recebeu vários Prémios da Academia) e nos planos grandes e detalhados (e alguns utilizam uns interessantes ângulos de câmara, diria que nunca tinha visto serem usados antes de ter visto este filme) que glorificam a História familiar e dramática de Steinbeck adaptada por Osborn. Com um romance à mistura (Cal vai "fanar" a noiva de Aron, fazendo um bonito par) e uma história que envolve um passado familiar escondido dos filhos (e que Cal descobre), este é um Clássico americano, goste-se ou não dos seus classicismos, das suas representações e dos seus ideais cinematográficos, morais e artísticos. Sendo um filme que mostra o valor da família e de nós próprios na mesma, e de quão longe vai o Bem e o Mal no espírito humano (influenciado ou não por referências religiosas e/ou sagradas) «A Leste do Paraíso» é a revelação de James Dean, grandiosa e com um impacto que poucas conseguem ter. Estava aqui a primeira grande marca do ator que, apesar de ter tido uma carreira tão curta, ganhou um espaço imortal na memória da Humanidade.

* * * * *

4 comentários:

  1. Nossa, adorei o seu blog, procurava algo que falasse dos filmes antigos.

    Parabéns, vou seguir.

    Abraços

    reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário e por seguir o meu blog. Vou retribuir! :)

      Um Abraço,

      Rui Alves de Sousa

      Eliminar
  2. Não sei se já disse mas... excelente escolha de filmes!

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).