sábado, 13 de julho de 2013

Outra vez a sobrecarga de informação


Hoje estive, mais uma vez, a pensar na forma como a minha geração tem acesso a demasiada informação. Temos tanta coisa ao nosso dispor e estamos envolvidos em tantos formatos digitais que nos esquecemos de tentar organizar a cabeça! É impossível viver assim, pelo menos para mim: não estar concentrado a ver um filme porque tenho o telemóvel ligado, não conseguir ler um livro pelo barulho e pelas preocupações que estão a bombardear a minha cabeça... Bolas! Eu quero parar com isto! Quero ir para uma ilha afastada do Mundo, sem internet, sem informação a mais, onde me possa concentrar nas coisas que quero mesmo fazer!  
E enquanto tento magicar uma ideia para acabar com esta sobrecarga de informação que tanto me atormenta, vou só por uns likes no facebook, responder a uma SMS, rever um texto para o blog, ver os sites de jornais portugueses, responder a fóruns, ler umas coisas e... ups. Mais vale estar calado.

2 comentários:

  1. Rui, de facto o excesso de informação é um problema da nossa geração. No entanto, apesar de todo o stress em que vivemos, da necessidade excessiva e instantânea de estarmos informados e da falta de tempo livre para fazermos o que bem nos apetece, considero que o acesso livre e disponível a toda a população é algo de extremamente positivo.
    Repara na quantidade de coisas que já aprendeste através da Internet; ou de artigos; ou em documentários...
    A verdade é que é uma situação que tem alguns pontos que compensam.
    No entanto, convém não esquecer que informação não é o mesmo que conhecimento. Se por um lado tens imensa informação disponível, repara que o mesmo não sucede com o conhecimento. O importante é saberes filtrar o que é que te é útil e o que não é...

    Uma sociedade informada é uma sociedade mais crítica ;)

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).