sexta-feira, 5 de abril de 2013

Roger Ebert e Gene Siskel vão voltar a fazer um programa


Quando acabo de escrever uma crítica cinematográfica para o blog, a primeira coisa que faço é procurar no IMDb se existe disponível para leitura a opinião do crítico Roger Ebert. Nunca cumpro este ritual antes de publicar os textos (ou pelo menos, na maior parte das vezes), mas a admiração que tinha por este notável Senhor era muito forte. Há mais de um ano dediquei-lhe, exatamente, um post aqui no blog (que pode ser lido carregando neste link, que tem cor e tudo) e, por isso, pouco tenho a acrescentar ao que já tinha escrito sobre Ebert. Apenas posso confirmar o impacto que este grande escritor das artes cinéfilas teve para a Humanidade. Não tenho dúvidas que se trata do crítico mais famoso da atualidade, e que por mais algum tempo continuará a tomar essa posição, mesmo que já esteja noutro sítio que nunca saberemos bem qual é (os mistérios da Morte...). Também, é difícil ver alguém que consiga destronar Roger Ebert, o homem que, com Gene Siskel, popularizou a expressão "two thumbs up!". Há muitos grandes escritores de críticas de cinema na América (Richard Corliss é o primeiro exemplo que me ocorre de momento), mas nenhum deles conseguirá ter o mesmo espírito comunicativo e simpático de Ebert. Fica o seu grande legado para a História, e também para a História da Sétima Arte. É muito raro eu conseguir concordar com as opiniões do homem, mas são uma delícia lê-las. Todos os prémios e honras que recebeu são muito merecidos e, juntamente com Pauline Kael e o seu "partner" televisivo Gene Siskel (que tanto popularizaram o Cinema e a crítica no showbiz televisivo), Roger Ebert mostrou como, afinal, um crítico de Cinema não é, como diz um chavão, um realizador que falhou na vida... Paz à sua Alma.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).