Milhares de vídeos de produtores portugueses vão ser retirados do youtube - really?

Este é o meu pequeno comentário a esta notícia:

É impressionante como os produtores tugas têm "medo" do youtube e conseguem ser indescritivelmente incrédulos. E vou ser muito sincero: se é para ver um filme à borla, se há um programa que não uso é este... A sério, o youtube diminui a resolução dos filmes, que ficam com pior qualidade, e é por isso que o Mundo acaba? Não é pelos múltiplos e incontáveis sites de pirataria, que oferecem rips em DVD e Blu-ray tão bons como os originais?! Realmente, que mania da perseguição! Já há tão poucas possibilidades de se ver Cinema Português (do bom, do menos conhecido - e que não corresponde aos estereótipos criados sobre o estilo das fitas nacionais) e bons (e raros) programas televisivos nacionais, e ainda querem destruir mais o pouco que está disponível? Se há uma coisa que o português gosta é de público, está-se mesmo a ver...

Comentários

  1. Zé da Adega20/4/13 19:33

    Eu também li esta notícia...

    "Portugal" actua tarde mas actua...mas da forma errada!

    Essa organização portuguesa tem todo o direito de pedir para retirar filmes do You Tube, mas pelo que li cobra dinheiro aos produtores portugueses pelo "trabalho" de proibir. Ou seja os produtores portugueses em vez de receberem dinheiro ainda perdem e têm de pagar a essa "organização".

    Erro!

    2 Exemplos:

    1) Rússia. Quando os estúdios russos assinaram um protocolo semelhante com o You Tube, ofereceram os filmes em alta resolução DVD ou BluRay gratuitos, a troco de receitas publicitárias, que o You Tube paga.

    2) EUA. A proibição You Tube fez sentido, porque no site autorizado Hulu já existem séries e filmes gratuitos streaming (com publicidade), e o You Tube estaria a desviar os utilizadores.

    Em Portugal e na U.E. em geral, esta medida não faz sentido. O que deviam fazer era assinar protocolos para identificar os filmes sim! Mas em vez de remove-los, o You Tube oferecia parte das receitas de publicidade à tal "organização" portuguesa. Assim todos ganhavam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Zé pelo comentário e pelo esclarecimento. E tens mesmo razão: na Rússia e nos EUA houve outras maneiras de disponibilizar os filmes, por isso a medida fez sentido. Mas cá... enfim, é o que temos.

      Cumprimentos,

      Rui

      Eliminar

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).