segunda-feira, 25 de março de 2013

O Padrinho - Parte III


Just when I thought I was out, they pull me back in.

Há cerca de um mês, revi o primeiro épico filme da trilogia «O Padrinho». Na noite de sexta-feira deitei mãos à obra e chegou a vez de revisitar a fabulosa primeira sequela, «O Padrinho - Parte II». Gosto tanto destas duas obras-primas e acho-as tão espetaculares que quando vejo a primeira, a segunda tem de se ser revista pouco tempo depois. Quando vejo um, vejo outro. Já fiz isto umas quatro ou cinco vezes desde que vi a trilogia toda pela primeira vez em 2011, o ano em que, definitivamente, a minha visão do Cinema mudou, porque foi em 2011 que vi uma série de filmes fantásticos que, ainda hoje, fazem parte dos meus filmes "primordiais" entre todas as fitas de que gosto muito e que me marcaram de uma maneira muito profunda. Não consigo distinguir a primeira e a segunda parte de «O Padrinho». Têm um impacto tão forte em mim de cada vez que as revejo (e que se mantêm tão ou mais impressionante a cada revisionamento) que não consigo achar mais palavras para as poder descrever. Aliás, estou cada vez mais convencido que são os dois filmes que mais "prefiro" de toda a minha lista. Porque são inesquecíveis. Porque sinto que cresço com eles. Porque quando os vejo, sinto que estou a ver filmes completamente novos, cuja essência nunca se esgota. 


E em relação à Parte III, bem... eu nunca tinha tido coragem de rever o filme desde a primeira vez que a trilogia de Francis Ford Coppola entrou na minha vida. Quando decidia voltar a pegar nos dois primeiros filmes, punha sempre um entrave no terceiro porque achava sempre que seria uma perda de tempo, visto que tinha ficado com a ideia de que é um filme apenas interessante e sem muito a acrescentar na minha existência cinéfila. Mas desta vez, e devido a várias opiniões distintas que ouvi sobre a Parte III nos últimos meses (e que me fizeram abrir algumas reservas quanto à mesma), estive a ver no domingo o filme, pela segunda vez. E até saí um pouquinho surpreendido, pela positiva. Há dois anos, fiquei um pouco desiludido com a fita, não por não conseguir chegar aos calcanhares dos seus antecessores (algo que é tecnicamente impossível, visto terem passado tantos anos entre sequelas, e por isso é injusto avaliar este terceiro filme dessa forma), mas porque como filme em si, e afastado do legado que representava, não valia grande coisa. Não admira que as televisões por cabo transmitam tantas vezes apenas esta terceira fita, no meio da mediocridade da maioria dos outros filmes que exibem. É um filme que não se destaca muito entre todos os outros filmes fraquinhos. Contudo, neste revisionamento, gostei um bocadinho mais, e percebi que, da primeira vez, martelei um pouco no filme. E cheguei à conclusão que é bom. Mesmo à tangente do meu nível de "bom", mas tem grandes momentos, apesar dos seus defeitos. E no seu conjunto, vale um pouco mais do que as * * * 1/2 que dei originalmente. Acontece, mudamos de opinião de alguns filmes quando os revisitamos, com outro estado de espírito e com outra noção das coisas. E ainda bem, porque agora perdi o meu "medo" em relação a este filme e, talvez, nos (múltiplos) re-re-revisionamentos que farei da trilogia, irei fazê-los de uma forma integral. Porque «O Padrinho - Parte III», apesar das coisas más, e de ser uma sequela desnecessária (se formos a ver bem, ambas as sequelas o eram, mas se Coppola não tivesse feito a Parte II ter-se-ia perdido um dos melhores filmes de sempre e, se não tivesse feito a Parte III, talvez não pudéssemos contemplar certas cenas que são completamente magistrais), é um filme que vale a pena, e sinceramente, para mim foi bom ter sido chamado "à razão" por opiniões que não se deixaram conformar pelo estigma geral de que «O Padrinho - Parte III» é a pior sequela de sempre, para muitos (algo que é completamente exagerado, pela quantidade de péssimas continuações de sagas que foram feitas ao longo dos últimos anos - contam-se às dezenas, centenas até!). E enquanto não arranjo mais palavras para descrever a magnitude da Parte I e da Parte II, acho que está na hora de acertar alguns "perdões" tardios com este capítulo final, tão severamente atacado.


«O Padrinho - Parte III» começa de uma forma bonita, bem mais conseguida do que a ideia original que Francis Ford Coppola planeou executar (que seria começar com esta cena da fotografia, no Vaticano, com um afastamento da câmara em relação ao Arcebispo que é muito semelhante à do início do filme original com a personagem Bonasera, que inicia a fita daquela forma tão memorável). Temos imagens da casa dos Corleone como a vimos no final do segundo filme - um aproveitamento de filmagens à casa utilizadas na produção da primeira sequela - e a voz-off de Michael Corleone (Al Pacino is back again!) que lê a carta que escreveu aos filhos a convidá-los para a condecoração a ele feita pelo Vaticano (OK, com o início original planeado por Coppola - e que pode ser visto nos extras da edição DVD/Blu-ray da trilogia - esta condecoração faz, de imediato, mais sentido nas nossas cabeças, pelos negócios que Michael e o Arcebispo falam, e que na versão final Coppola introduziu numa parte mais tardia do filme). Tudo muito bonito, na cerimónia e na festa dada no apartamento de Michael, tão semelhante às festas familiares dos outros filmes, e onde reencontramos personagens bem nossas conhecidas: Kay Adams (a agora ex-mulher de Michael - interpretada pela Grande Diane Keaton), a única irmã de Michael (Connie, interpretada por Talia Shire) e última "sobrevivente" dos quatro filhos de Don Vito, entre alguns secundários (como o cantor Johnny Fontane) e personagens novas que nos fazem recordar figuras desaparecidas no passado (o filho bastardo de Sonny Corleone - Andy Garcia num grande papel -, os filhos de Michael Corleone - uma delas a péssima Sofia Coppola, uma das únicas críticas a esta sequela que ainda mantenho, porque mal abre a boca e percebi como ainda é, para mim, uma má atriz, tão má que eu, desta vez, e tal como a primeira, me ri nos últimos momentos da sua representação, não me pude conter - e outras individualidades). E passados alguns minutos percebemos que o tempo e o lugar mudou, mas Don Michael continua igual, sempre a tratar de negócios bem mafiosos e sempre com uma mão pronta para armadilhar todos os inimigos que o rodeiam. A família Corleone e todos os seus negócios ainda subsiste na dura década de 70. Mas «O Padrinho - Parte III» prefere embarcar também por uma outra via, não tão explorada, de uma forma assim tão complexa e tocante, nos outros filmes, e que foi muito criticada pelos fãs da saga, mas que eu continuo a achar que se trata de um dos pontos fortes desta filme final da trilogia: o arrependimento de Michael de todos os seus atos criminosos (ilustrado pela magnífica cena da confissão do personagem a um sacerdote italiano), e que mostra uma humanidade crescida no mais famoso mafioso da História do Cinema. Nem o pior dos criminosos deixa de ter alguns sentimentos, nem preocupações em relação aos seus familiares (se bem que, ao longo da saga, percebemos que Michael não seguiu tão afincadamente um dos grandes conselhos deixados pelo seu Pai: "Um homem que não se preocupa com a sua família nunca poderá ser verdadeiramente um homem")...


«O Padrinho - Parte III» não é a pior sequela de todos os tempos, mas está longe de ser a melhor. Nem mesmo como filme "a solo" não tem muito de especial em relação a outros filmes. Mas eu gostei muito de terem decidido mostrar Michael Corleone como um ser humano, e o filme deveria apenas abranger a história dos seus pensamentos e dos negócios em que se envolve (incluindo a relação com o aparentemente amistoso e amigável Don Altobello, um líder mafioso brilhantemente interpretado pelo grande Eli Wallach - exceto nos momentos finais da sua aparição do filme, muito sinceramente. É engraçado que só começamos a notar em certos atores e atuações quando somos confrontados com certos filmes, mesmo que já os tenhamos visto antes noutras obras - o caso de Wallach foi com «O Bom, o Mau e o Vilão», e não me lembrava agora que também aparecia em «O Padrinho - Parte III») e nas intrigas que constrói juntamente com Vincent, o seu sobrinho e o filho do seu irmão Sonny, para conseguir manter o Império e a reputação da família Corleone, com a ajuda do descendente que, por uma ordem lógica, tornar-se-ia, depois, no sucessor de Michael (algo que seria tratado numa possível quarta fita, juntamente com a história das origens de Sonny Corleone, numa narrativa semelhante à de «O Padrinho - Parte II»). A relação entre Michael e os seus filhos é um ponto interessante da trama, mas que não foi explorado suficientemente bem do lado da filha de Michael (com a Sofia Coppola numa interpretação mesmo má - pelo menos, a meu ver). O filho sente-se distante do Pai e, ao contrário deste, mantém a sua decisão de não entrar nos negócios da família e, assim, perseguir os sonhos que quer para a sua vida, e isso está muito bem retratado. Tal como a relação com Kay, que apesar de odiar Michael pelos seus crimes terríveis contra os seus próprios familiares, nunca o deixou de amar. E mesmo as intrigas do Vaticano estão bem executadas, e ao contrário do primeiro visionamento, já consegui perceber o porquê da ligação da conspiração dos inimigos de Corleone com a misteriosa morte com o Papa João Paulo I, e já consegui dar valor a essa sub-plot, ao contrário do que tinha afirmado até ter revisto o filme, de que se tratava de uma "conspiração à la Dan Brown". Mas o mais interessante no Vaticano é todo o lado obscuro de negócios, envolvendo a empresa da Immobilliare, que mostra como a alma dos Homens, mesmo a dos que, supostamente, deveriam estar afastados do mundo intrincado dos negócios financeiros, está sempre inundado de desejos de poder, ambição e luxúria. Já a relação incestuosa entre o sobrinho e a filha de Michael é que continuo a achar que era escusada, pelo menos da maneira como o filme nos mostra. O que é que me interessa vê-los a amarem-se, a beijarem-se, a terem uma relação digna de telenovela mexicana? Bom para eles, mostrem-me mas é o que interessa, não estes romances televisionados e sem ponta por onde se lhe pegue (até porque ambos se parecem "mesmo" muito apaixonados um pelo o outro - até tenho pena do Andy Garcia, coitado... e a Sofia podia ter-se esforçado mais um bocadinho, também!)!


«O Padrinho - Parte III» é um filme que não revela um grande equilíbrio entre o que é importante contar e o que não é mesmo relevante ser mostrado aos espectadores. Há muitas cenas excelentes, mas depois há outras partes que são assim-assim ou mesmo más e a tender para um estilo de ação que em nada se adequa ao ambiente calmo e épico dado ao filme desde o seu início (nem é pelo legado dos outros dois filmes, é pela intenção de Coppola de querer manter o espírito negro e profundo dos filmes anteriores neste também, e sai-se um pouco desiquilibrado por isso...), como por exemplo com aquela cena do helicóptero, que para mim foi a primeira "machadada" a uma fita que poderia ter sido muito melhor do que aquilo que se tornou, e algumas das mortes, que permanecem ridículas e muito mal planeadas pela equipa técnica do filme. Mas existem outros pontos positivos inesperados, que a minha obsessão com os defeitos deste terceiro filme no primeiro visionamento não me deixaram analisar com mais atenção, como a mudança de Connie Corleone ao longo de toda a saga: de uma menina histérica e irritante no primeiro filme, para uma mulher que acha que tem mais poder do que aquilo que, na realidade, lhe deram, no segundo filme, e uma mente talvez tão ou mais criminosa como a de Michael nos primeiros anos como Padrinho, neste terceiro filme. É ela que quer que os inimigos dos Corleone e não Michael, é ela que ajuda Vincent a planear as mortes dos invasores à paz da família. E isso também me impressionou muito, e foi um verdadeiro "volte-face" no que eu me lembrava desta obra. E a banda sonora, lá está, é excelente, tal como seria de esperar (seria mesmo mau se a produção do filme quisesse manchar aqui também a música extraordinária, a partir dos originais de Nino Rota e de Carmine Coppola). Nesta revisitação à saga também dei mais importância às laranjas, que as personagens tantas vezes têm nas mãos e que ajuda mesmo às cores e ao ambiente do filme (e, apesar de não ser essa a intenção de Coppola e companhia, os fãs criaram uma série de teorias e de metáforas filosóficas para a inclusão desse fruto em muitos momentos dos três filmes - apesar de neste terceiro filme, em certas partes parece que o fazem de propósito, como se estivessem a dizer "Ei, olhem pr'aqui! Temos as laranjas, como nos outros filmes! Isto não é mau de todo, afinal, pois não?"). Conclusão? «O Padrinho - Parte III» afinal, tem muito que se lhe diga. Para o bem ou para o mal, é um filme com muitos motivos para ser visto e revisto, mais do que uma vez.

Olha a fotografia de família, tão linda...
«O Padrinho - Parte III» é um filme que falha e torna-se deprimente em certas partes, mas no fundo, recupera muita da honra e do prestígio da narrativa da família Corleone e torna-se um capítulo final digno de memória para uma das trilogias mais conhecidas de todos os tempos. É um retrato da decadência da máfia e da diminuição do seu poder e da sua "inteligência" e astúcia no mundo dos negócios, pelo menos nos EUA, com o regresso de Michael Corleone à Sicília e às suas origens familiares. Um filme pontapeado e espezinhado por muitos (incluindo eu próprio) e que merece ser visto com mais calma e atenção. Foi o que eu fiz, ou tentei pelo menos, e não me arrependi. As intenções de Francis Ford Coppola e de Mario Puzo eram boas, mas temos também de perceber que, com o passar de tantos anos entre os dois primeiros filmes e este último, e o estatuto de qualidade superior que as fitas adquiriram durante esse período de tempo não ajudaram a que o filme não fosse feito sem pressões dos estúdios, que queria era lucrar mais e mais com o universo dos Corleone sem olhar a meios (até puseram a hipótese de ser Sylvester Stallone a realizar esta Parte III! Algo inacreditável, não é?). Algo que acaba por ser irónico porque os "tubarões" da Paramount me fazem pensar que se tratam mesmo de verdadeiros mafiosos. Mas enfim, desculpas feitas a «O Padrinho - Parte III», penso que já está na altura de me retirar, que esta crítica ficou um pouco longa demais. Volta Michael, que eu até te perdoo!

* * * *

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).