segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

À Noite Logo se Vê

Mais um livro lido de Mário Zambujal, o quinto do autor que me passa pela vista. Não sendo um dos seus melhores trabalhos, a meu ver, «À Noite Logo se Vê» é um bom livro com uma interessante história e situações hilariantes descritas no estilo único e inconfundível do carismático criador dos «Bons Malandros». Sendo uma história com um elevado pendor fantástico (o livro foi publicado, originalmente, numa coleção dedicada a esse género literário), o leitor segue as desventuras de um investigador do sobrenatural em relação ao mistério de Roseiral, uma terra onde não nasceu nenhuma alminha durante quatro anos. Além desta trama pseudo-policial, são contadas também algumas histórias avulsas sobre indivíduos "roseiralenses", repletas de humor e nonsense e que, de vez em quando, bem precisamos para distrair um pouco. Há uma certa dispersão por parte de Zambujal, um afastamento da trama principal, que depois não chega a ser contada de uma forma mais apelativa, para dar mais espaço às tramas secundárias. Mas gostei do livro e, tal como os outros quatro lidos pela minha pessoa do autor, é recomendável!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).