quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

10 filmes para o Fim do Mundo: Sugestões cinéfilas para aproveitarem bem o Apocalipse

E pela primeira vez, vou-me armar em grande especialista cinéfilo e deixo, aqui, uma listazinha, com sugestões de filmes para serem vistos no dia do (suposto) fim do Mundo. E não pensem que abordarei filmes catástrofe como «O Dia depois de Amanhã» ou «2012», nem irei pôr toooodos os filmes que acho obrigatórios que toda a gente veja antes de falecer (esses nem precisam já de estar em qualquer lista - vós sabeis quais são de cor e salteado!), como «O Padrinho» ou «Era Uma Vez na América». Apenas alguns que se adequem a essa "categoria", vá. A partir de uma seleção meticulosa, deixo aqui dez filmes agradáveis, não muito pesados ou dramáticos, e propícios a visionamentos em família ou com amigos. Contudo, não deixam de ser obras com um certo significado especial, que poderão descobrir se agarrarem alguma destas sugestões. Não quero que passem as (supostas) últimas horas da vossa vida com dramas existenciais. É melhor passarem de uma maneira agradável! Por isto e muito mais, aqui vão, por  ordem alfabética, dez filmes que poderão ser vistos no próximo dia 21:

1. - A Melhor Juventude
OK, compreendo que alguns não conseguirão perceber porque é que me lembrei de um filme de quase seis horas para ser visto num dia cujos momentos serão (por alguns) contados com um nervosismo e medo incrivelmente grandes. Mas se, pelo menos, virem a primeira de duas partes deste grande épico italiano de Marco Tullio Giordana, perceberão como, além de ser um fantástico filme excelentemente interpretado pelo grande elenco que o constitui, esta obra se trata de uma grande ode à vida e à existência humana (senão das maiores). A saga de uma família e seus amigos desde os anos 60 até aos princípios do século XXI contém comédia, drama e entretenimento ao mais alto nível. Digo-vos que as ditas seis horas passam num instante, e não se iriam arrepender de aproveitar o vosso dia para se sentarem frente ao sofá e verem «A Melhor Juventude». A não ser que tenham o dia demasiado preenchido, mas... fica o conselho.

2. - A Vida de Brian
A fantástica epopeia de proporções bíblicas dos Monty Python teria de estar obrigatoriamente nesta lista, por uma simples razão: «Always Look On the Bright Side Of Life». OK, e praticamente pelo resto de toda esta magnífica comédia, mas é a canção do filme que traz uma mensagem fundamental aos espetadores (e que deve, preferencialmente, ser vista naqueles minutos finais em que o Mundo começa a explodir e tudo. Deve fazer um efeito giro). Mas o filme é uma genuína peça de humor satírico e non-sense ao mais alto nível dos Python, e que qualquer pessoa pode achar graça, dada a versatilidade dos mecanismos de comédia utilizados e das brilhantes performances cómicas dos seis Python. Uma sátira aos dogmas e fanatismos da religião, que não ofende mas que pretende apenas fazer rir as pessoas e pôr toda a gente mais bem disposta. Para encarar o fim do mundo de uma perspetiva menos depressiva, «A Vida de Brian» é a receita ideal!

3. - Bem Vindo ao Norte
Mais uma grande comédia (porque nestas alturas o que o povo precisa é de rir a bom rir), mas desta feita, vinda do país da Torre Eiffel: «Bem Vindo ao Norte» não é uma comédia tão inteligente e provocadora como a anterior que consta desta lista, mas proporciona a mesma quantidade de gargalhadas e diversão, com uma história simplista mas bem estruturada, que poderá relembrar as pré-históricas rivalidades entre Norte e Sul (mais propriamente, entre tripeiros e alfacinhas). Com uma dupla de atores que possui uma química indiscutível e que é completamente visível ao longo de todo o filme, «Bem Vindo ao Norte» irá trazer muita alegria a quem o vir. E guardem-no para dia 21, se forem especialmente supersticiosos com esta "misteriosa" data. Não se vão arrepender!

4. - Brazil: O Outro Lado do Sonho
Uma pitoresca e inteligente sátira a um Mundo demasiadamente burocrático e envolvido nas "papeladas" é o que se pode dizer, resumidamente, desta fantástica fita de Terry Gilliam (membro integrante dos Python, que desenvolveu, ao longo das últimas décadas, uma interessante carreira como realizador de cinema). Contudo, apesar de se tratar de uma obra repleta de surrealidade e non-sense, «Brazil» contém mais detalhes reais sobre a existência humana do que se possa imaginar à partida. Sendo uma visão peculiar sobre o estado das coisas e de tudo que nos rodeia (e de que nós pouco ou nada sabemos), «Brazil» é um filme que nos faz pensar sobre o verdadeiro significado de cada ser humano neste planeta, e poderá ser visto de duas perspetivas se planearem o seu visionamento para dia 21: se virem a versão de cinema, ficarão com a ideia de "Iei, o Mundo é lindo, pena é que vá acabar"; mas se optarem pela (muito recomendável) versão do realizador, aí pensarão "ui, então o Mundo é isto, não é? Apocalipse, vem já depressa, fachavor!". Têm as duas versões à vossa disposição, e escolham aquela que vai condizer melhor com o vosso estômago na próxima sexta-feira. Eu avisei-vos...

5. - Casablanca
All right, all right! Recorri a um filme-cliché, constante em qualquer lista que verse sobre a Sétima Arte, confesso! Mas «Casablanca» é um filme tão bonito, tão romântico e eterno, e que penso que, como última memória de cinema para se levar desta para melhor, acerta que nem uma luva! Provavelmente o casalinho mais famoso de sempre da História do Cinema, ambientado num clima de guerra e por memórias obscuras de um passado distante, vivido em Paris antes da ocupação nazi, «Casablanca» é um filme... fantástico. E que apesar de ser também daqueles filmes que toda a gente "pensa" que conhece, tem de ser visto na íntegra! E qual a época melhor para se pôr memórias cinematográficas das boas em dia? Datas de previsão de apocalipses. «Casablanca» poderá fazer rir, chorar e emocionar, e isso faz parte de toda a sua magia. E faz uma sessão de cinema espetacular. Um filme sobre a vida e o amor, e que tem um significado maior que o Mundo, que dizem, vai acabar, e coiso. "We'll always have Paris..."

6. - Do Céu Caiu Uma Estrela
Talvez muitos queiram considerar «Do Céu Caiu Uma Estrela» para a quadra natalícia (isto é, se chegarmos até lá... eh eh eh), mas é um filme com uma dimensão poética, moral e humana tão grandes, que serve para qualquer época do ano. E então em tempos de iminente catástrofe e de irracionalidade dos seres humanos, ui!, nada melhor do que este magnífico filme de Frank Capra, com James Stewart em estado de graça no papel de George Bailey. Talvez a sua personagem mais popular, e pelas melhores razões: trata-se de um ser humano a sério, que se preocupa com os outros e pretende sempre o bem estar de todos os que estão à sua volta. Uma história com um profundo sentimento familiar, que unirá Pais e Filhos ao ecrã do televisor (ou à tela projetada, se tiveram esse luxo nos vossos lares) e que deixará toda a gente feliz e contente e a pensar melhor na vida e nas coisas que poderia ter feito se esta m**da toda não fosse acabar.

7. - Gato Preto Gato Branco
Uma comédia completamente louca e demente, da autoria do realizador Emir Kusturica, um versátil cineasta que tem brindado os seus seguidores com projetos sempre inovadores, mas ao mesmo tempo repletos das marcas características da sua visão da Sétima Arte: non-sense, surrealismo em estado puro, música e personagens pitorescas que nem lembram ao Diabo. Mas penso que em «Gato Preto Gato Branco», todas essas marcas de Kusturica são levadas ao limite, dando origem a uma fusão de comédia e parvoíce de proporções historicamente idiotas. Um filme que cita o número 5 desta lista (era giro se conseguissem ver os dois filmes, assim percebiam a referência), mas que vale pela sua originalidade e criatividade, com a história de uma comunidade cigana para a qual não consigo arranjar palavras para descrever. Mas se o Fim do Mundo realmente ocorrer, talvez consigam deparar-se nas ruas, momentos antes do "evento" se suceder, com indivíduos muito semelhantes com os deste filme.

8. - Hannah e as suas Irmãs
Este é o filme do Mestre cómico Woody Allen que eu considero ser a sua "magnum opus", entre as vinte e tal obras de sua autoria que eu já tive o enorme prazer de visionar. Mas não é por isso que o incluo nesta lista, e sim porque aborda, de uma perspetiva muito interessante e inteligente, o sentido da vida e das crenças religiosas para cada um de nós. Além de ter uma história de amor contada da maneira que só Woody Allen sabe fazer, «Hannah e as suas Irmãs» é, talvez, o filme mais filosófico do cineasta, mas também o mais divertido. E talvez assim, com o visionamento desta fita, momentos antes do Apocalipse, muitos se aperceberão do que realmente importa na vida e terão pensamentos como este: "Pois é! Afinal somos todos seres humanos, independentemente do que acreditemos. Mas ops... será que ainda vou a tempo de pedir desculpas àquela senhora muçulmana cá do prédio? Ah, já 'tá tudo a ir pelos ares. Gaita."

9. - Regresso ao Futuro
E que tal ver um filme sobre viagens no tempo, numa altura em que o mesmo corre depressa demais para o abismo da catástrofe? Para isso, vejam «Regresso ao Futuro» de Robert Zemeckis, com Michael J. Fox e Christopher Lloyd em, provavelmente, os papéis mais marcantes das suas carreiras. E se ainda houver tempo, visionem as duas sequelas, vale a pena ver tudo de seguida, tipo maratona. A fantástica saga de pseudo-ficção científica e as desventuras de Marty Mc Fly e Doc. Emmett Brown pelo tempo e pelo espaço fazem-nos pensar também sobre a durabilidade da nossa existência na terra. Caramba, quem é que eu pretendo enganar? O filme não é tão profundo assim, em termos filosóficos. Mas é também uma história que nos faz perceber o valor do tempo e de cada ação que fazemos na linha temporal da nossa existência. Talvez nos lembremos de coisas como: "ui, não devia ter andado à tareia com o Joaquim, na pré-primária", ou "ah bolas, fiquei a dever cinco cêntimos à menina da mercearia". E se, por acaso, surgir um DeLorean "mágico" à vossa porta, aproveitem para corrigir o passado. Mas atenção! Cuidado com os paradoxos e as ruturas temporais... e coiso.

10. - Vertigo
Sim, mais um cliché cinematográfico, mas que serve para acabar com esta lista em grande! Além de ter sido considerado o melhor filme de todos os tempos recentemente pela Sight and Sound (decisão muito discutível, mas que o filme é excelente, disso não tenho dúvidas). E aproveitem para o ir ver na comodidade e "espetacularidade" de uma sala de cinema, visto que o filme vai ser reposto em cópia digital já a partir de amanhã! Aproveitem para esbanjar dinheiro à grande, visto que depois do Mundo acabar não vão precisar mais dele. O problema é que depois esta previsão pode estar errada, tal como outras milhares que o Homem inventou ao longo dos séculos. Maaas... não vamos pensar nisso. Vejam James Stewart no papel de um polícia com medo de vertigens ("Ui, que coisita tão fútil", dirão os amiguinhos habituados à tecnologia 3D do cinema moderno. Pois bem, enganam-se!) e Kim Novak como a mulher por quem este se apaixona, e que o vai envolver numa das tramas cinematográficas mais densas e fantásticas de sempre. Não fala sobre a vida, nem do significado da mesma, mas caramba, é um filmaço, do Mestre Alfred Hitchcock, que deve ser visto pela simbologia que contém e pelo romance entre as duas personagens!  

E assim termino esta minha primeira lista (espero não voltar a fazer isto muito em breve!!!). É de uma subjetividade total, mas garanto que, se pegarem em pelo menos uma destas minhas sugestões, não se vão sentir defraudados. Tenham um bom resto de semana, vejam bons filmes, e até ao Apocalipse!

Ou não.

Se não se suceder, saberão que eu continuarei com as minhas tretazinhas aqui no Blog das Amêndoas, 'tá bom?

Agora com licença, que tenho de arrumar os enlatados para me prevenir para o Fim do Mundo (apesar de não irem servir para nada, mas fica giro. Ideia de sobrevivência, e coiso, e perigos, e tal... OK, ando a ver demasiados filmes).

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).