domingo, 30 de setembro de 2012

Sucesso a Qualquer Preço


David Mamet é considerado um dos autores mais influentes, mais brilhantes e mais inigualáveis das últimas décadas. O seu estilo muito próprio de contar histórias, exposto quer nas suas inúmeras peças de teatro, em guiões para cinema ou em adaptações cinematográficas das ditas peças, mostra um caso único em que o autor se consegue impôr de uma maneira quase inimaginável. Mamet é um autor muito versátil e isso vê-se pela sua obra: é responsável, por exemplo, tanto pelos diálogos de Paul Newman em «O Veredicto», como pelas satíricas trapalhadas políticas de Robert de Niro e Dustin Hoffman em «Manobras na Casa Branca» ou até mesmo «Sucesso a Qualquer Preço», esta grande história sobre a concorrência comercial e a vida de vários técnicos de vendas de uma empresa de ofertas turísticas.

Baseado na peça homónima vencedora do prestigiado prémio Pulitzer, «Sucesso a Qualquer Preço» é uma trama inteligente e intrincada que critica a "sobrevivência do mais forte": aos vendedores da dita agência, um superior (Alec Baldwin) avisa que as duas pessoas que fizerem mais vendas, receberão um prémio e contactos novos e com mais oportunidades de sucesso de vendas. E os outros poderão estar em risco de ser despedidos. Aí conhecemos um desses vendedores (Al Pacino) que, à custa de ter tanto êxito nos seus esquemas comerciais, conseguiu ganhar o estatuto de campeão da empresa. E os outros estão numa situação inversa: os clientes não abundam, tanto por já terem contactos gastos como pelo facto de não conseguirem fazer os seus hipotéticos clientes seguirem os seus embróglios publicitários e, assim, não conseguem fechar negócio.

David Mamet explora como só ele sabe fazer as individualidades de cada um dos protagonistas através de diálogos muito "mametianos" e que, de tão bem construídos que estão, que é impossível alguém conseguir deixar de contemplar a perfeição textual deste filme. A realização é competente, mas «Sucesso a Qualquer Preço» destaca-se mais pelo argumento e interpretações que por esse elemento. Afinal, trata-se da adaptação de uma peça de teatro, onde não abundam os efeitos especiais e planos de câmara mirabolantes, mas a realização consegue adaptar-se ao estilo mais teatral da história de Mamet e acompanhar bem o desenvolvimento da ação. O elenco está repleto de grandes estrelas, que mereciam, sem dúvida, nomeações para os Oscares desse ano de 1992. Al Pacino recebeu uma nomeação para Melhor Ator Secundário, mas neste caso, penso que Jack Lemmon mereceria também uma distinção da Academia (e se possível, uma estatueta). A interpretação do ator é fenomenal e na minha opinião, a melhor de todo o filme. E ficou a faltar também uma nomeação para Mamet, com este filme merecia que a Academia lhe tivesse dado alguma atenção especial. Mas opiniões são opiniões, apesar de sem ter ganho grandes prémios, ficou para a memória um grande filme, com um potente argumento e soberbas interpretações, que nos fazem questionar sobre as atitudes das pessoas em relação aos outros e se é mesmo tudo, nesta vida, uma questão de sobrevivência. «Sucesso a Qualquer Preço» deve ser visto e discutido, e a sua importância vinte anos depois é comprovada pelo facto de ir ser levada de novo à cena na Broadway, com Al Pacino a representar um papel diferente que o que fez neste filme (mais precisamente a personagem do notável Jack Lemmon). Mais do que uma peça ou um filme, «Sucesso a Qualquer Preço» é uma brilhante e inteligente história sobre a vida e o poder do negócio e do comércio no dia a dia. Imperdível!

Nota: * * * * 1/2

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).