quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Cenas da Vida Conjugal - Uma peça exemplar



Ainda estou quase sem palavras para descrever o que vi, ouvi e senti com «Cenas da Vida Conjugal». A sério, estou completamente vazio de palavras suficientemente boas para conseguir descrever corretamente tudo o que adorei nesta magnífica peça. Tenho acompanhado regularmente os trabalhos do Teatro Nacional D.Maria II (por causa da parceria que o grupo de teatro da escola tem com esta grande instituição cultural), e esta peça é a prova da versatilidade e qualidade cultural da seleção muito acertada de peças que a direção artística do Teatro tem posto em cena. «Cenas da Vida Conjugal» é a grande demonstração de porque é que vale a pena ir ao teatro e porque é que os portugueses devem acompanhar estas grandes iniciativas (pagas ou gratuitas) que não são tão escassas como algumas pessoas pretendem afirmar (mesmo com o estado da nação, é fascinante a quantidade de eventos que se fazem e como as coisas não param!). 

Os dois atores que interpretam o casal João e Mariana (Adriano Luz e Margarida Marinho, respetivamente) estão perfeitos a retratar as emoções e problemas que tem uma vida conjugal. Apesar de algumas pessoas na plateia não conseguirem perceber o texto, e também por terem pensado que se tratava mais de uma comédia do que um drama (o que, por vezes, com os risos exagerados dessas pessoas, estragava algum do ambiente tenso e triste de certas partes da peça), nada disso retira nenhuma excelência às interpretações dos atores muito fortes e muito bem estruturadas, auxiliados com um texto que retrata muitas situações do dia-a-dia de marido e mulher e que têm muito a ver com a realidade de cada um. Se puderem, vão ver «Cenas da Vida Conjugal». E se puderem, apoiem também o Teatro feito em Portugal, que está muito bom e recomenda-se!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).