sábado, 25 de agosto de 2012

Uma Vida Inacabada

E cá estou eu para, finalmente, fazer um update aos filmes que fui vendo nos últimos dias, em que estive mais ausentado das lides internetais. Começo por «Uma Vida Inacabada», um drama familiar com grandes atores e realizado pelo mesmo senhor que fez esse filme chamado «Chocolate».
Pena que só tenha descoberto este pormenor depois de ter acabado de ver o filme (e de ter pegado na caixa do DVD do «Chocolate», para comprovar que era o mesmo realizador), tendo constatado que a minha curta memória tinha razão. E daí suspirei: "Aaah, então é o mesmo senhor que fez esse filme com o Johnny Depp a fazer de cigano? 'Tá boa."
OK, deixemo-nos de "parlápiês" desnecessários, e vamos ao que interessa: Fiquei algo desiludido com esta filme. Mas por outro lado, é uma daquelas fitas que, se tivesse deixado de ver aos trinta minutos de visionamento, talvez pensaria "Ui, que filme! Mal posso esperar para me voltar a aconchegar no sofá para terminar, com regalo, de ver este filmaço!". «Uma Vida Inacabada» só pode ser mesmo julgado quando visionado na íntegra. Senão, pode dar asneira. Não é como os filmes de outros realizadores, que conseguem mostrar o que prometem com as suas obras, e que sabemos que vamos gostar até ao fim (no meu caso pessoal, até hoje os filmes de Woody Allen foram sempre a prova disso). Este é um filme muito inconstante.
Este filme contém muitas cenas desnecessárias que, se fossem cortadas, poderiam reduzir a história para a duração de uma curta-metragem. É um daqueles filmes que vemos uma vez na vida, sem ficarmos com grandes recordações do mesmo, e depois ficamos mais na expetativa para saber qual vai ser o próximo filme a ver. «Uma Vida Inacabada» contém também um sem-número de clichés e algum over-acting (por parte de Jennifer Lopez e da pequena Becca Gardner) que não percebem que não precisam de berrar ou de fazerem figuras tristes para nos apercebermos que estão numa má situação de vida. A história é insonsa, previsível até dizer chega (aliás, como o próprio «Chocolate»), mas que, digamos, até contém alguns diálogos interessantes e portentores de alguma graça.
Gostava de destacar a belíssima fotografia do filme. Aliás, se quiserem mesmo ver «Uma Vida Inacabada», podem mesmo só deixar o filme correr para ver as paisagens bonitas (cuidado é com o urso CGI, que é tão real como... oh pá, até o urso 'tá mal feito!). Mas pronto, queixinhas parvas à parte, este filme é bom entretenimento, e interessante para distrair durante uma hora e quarenta minutos. Ah, e também a dupla Morgan Freeman - Robert Redford, até é preciso dizer que funciona muito bem! Mas só conseguimos ter, com «Uma Vida Inacabada», uma forma boa de passar o tempo. Só que depois, a memória que ficaremos do mesmo, é que não será assim tão relevante...

Nota: * * * 1/2

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).