quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O Segredo dos Seus Olhos



Não sei como posso descrever as sensações que me deu o visionamento de «O Segredo dos Seus Olhos», um filme de Juan José Campanella que arrecadou um Óscar da Academia para melhor filme estrangeiro. Aliás, deve-se notar muito a minha enorme incapacidade para descrever o que quer que seja. Mas acho que posso falar um pouco (e não muito em pormenor, porque, quando faço estas críticas, esqueço-me sempre de diversas ideias que tinha planeado antes da escrita das mesmas) do que achei do filme, que embora seja de uma maneira muito redutora, espero que consiga dar a entender o porquê de ter gostado tanto desta fita.
A história de «O Segredo dos Seus Olhos» é construída de uma forma intrincada e complexa, e que vai buscar alguns tradicionalismos do policial e dos grandes thrillers cinematográficos. Contudo, as influências que Campanella e a sua companhia seguiram para fazerem este filme não são suficientes para danificar a grande originalidade do mesmo (ao contrário do que acontece com muitos casos em que se sucede o oposto – o cliché inunda o filme, não dando sequer a entender o que é novo naquele filme do que já foi usado e abusado), fator que é bastante auxiliado pelo grande elenco que encarna as personagens de «O Segredo dos Seus Olhos» (com o protagonista Ricardo Darín, um ator de que eu já tinha ficado fã com o filme «O Filho da Noiva», também realizado por Campanella). 
Misturando um caso romântico com um crime e sua investigação em duas épocas distintas (anos 70 e finais dos anos 90), «O Segredo dos Seus Olhos» é um filme que me prendeu ao ecrã do início ao fim. Não por ser um drama num estilo diferente do que o cinema americano costuma (re)utilizar,  nem tão pouco por ser um policial que, nas mãos erradas, poderia cair no maior extremo da banalidade (aliás, é o que poderá acontecer se o estúdio americano que pretende fazer um remake desta obra cinematográfica argentina não o fizer de uma forma que não estrague o significado do filme original). Gostei bastante deste filme porque, simplesmente, é um grande filme, que apesar de não “emanar” o perfume de obra-prima mirabolante e magistral da História de todo o Cinema, é uma obra que está excelente em todos os aspetos! E o Óscar com certeza que foi merecido. Porque «O Segredo dos Seus Olhos» é um filme tocante, viciante, bonito e uma grande obra cinematográfica. Pode não ser o símbolo da perfeição da Sétima Arte, mas caramba! É um filme cujo investimento na visualização dos seus 120 minutos será completamente recompensador. E mais do que isto, penso que não é necessário afirmar, porque lá dizem que as imagens (neste caso, as que estão em movimento – sei que o dito popular não diz exatamente isto, mas penso que o significado seja igual nos dois casos) valem mais que mil palavras…

Nota: * * * * *

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).