segunda-feira, 2 de julho de 2012

A Queda de um Império... bolachal

Hoje surgiu, nos meandros e recantos da comunicação social, uma notícia que deixou bastante traumatizada uma parte das pessoas, e felicíssima a outra. Falo-vos da novidade de que o simpático (e stressado) monstro das bolachas, personagem mítica da «Rua Sésamo» criada por Jim Henson, vai deixar de comer, precisamente... bolachas, para se virar para uma alimentação mais saudável, acompanhando-o todo o resto da "fantochada" desse programa infantil. Mas este pormenor escapou a muita gente, porque o que chocou foi que o Monstro das Bolachas vai ficar sem as bolachas. E o resto é paisagem.
A mim, isto nada me choca, porque também se me deixasse chocar por uma coisa dessas, jasus... é giro ver que, sempre que acontece um atentado à infância de todos nós, as dissertações dos comuns mortais repetem-se sucessivamente, em todas as redes sociais, blogs, e (veja-se só!) nas habituais conversas de café. Frases como «Ah isto já não é o que era» ou «No meu tempo é que era bom!» são constantemente pronunciadas em palavras escritas ou mesmo faladas de muito tuga deste país e arredores.
Mas, por outro lado, também não fico feliz com esta mudança saudável da «Rua Sésamo». E, pior ainda, faz-me mais confusão como é que os "amaricanos" possam pensar que, ao ver as atitudes politicamente incorretas deste monstrinho azul (que tinha uma relação com as suas bolachas semelhante à do Scarface com a cocaína, no final do filme), as criancinhas vão imitá-lo severamente, tornando-se obesas. OK, percebo a parte do imitar a personagem infantil da TV (sei como as crianças pequenas são nesse aspeto), mas como conseguiriam ficar obesas com as comezainas do Monstro das Bolachas? É que ele, tecnicamente, não come as bolachas! Põe-nas dentro da boca, sim, mas para o estômago, penso que só deve ir menos de 10% de cada bolacha que consome, porque ele destrói a bolacha em migalhas e deita tudo cá para fora (de uma maneira demasiado insana, digamos)... É isto que vai destruir a curta existência dos miúdos? Sinceramente...
Também não me passa pela cabeça a maneira como os miúdos são tão afetados psicologicamente com estes programas que veem. Eu via o Monstro das Bolachas na «Rua Sésamo», via o Garfield a comer lasanha e pizza e a dormir o dia todo, vi uma série de personagens animadas (ou "marionetadas") com uma série de atitudes irrepreensíveis e não é por isso que as imitei e fiquei gordo por causa delas...
Porque gordo estou agora e já não vejo esses programas.
E isto é um dito muito estúpido, mas é verdade.
Por isso digo, com toda a confiança, que não devo a minha barriguinha ao pobre Monstrinho Bolachoso (que agora, pelo que vi hoje nas notícias da TV, anda a envergar um fato de cantor de rap. Iei, América, mostrem que deixaram de ser conservadores e que agora todas as personagens infantis se assemelhem ao elenco de «The Wire»... Iupi! Isso vai pôr-vos mais em consideração no nosso quotidiano. Acreditem que sim). E apesar de não estar com esse fanatismo todo com que muita gente está por causa desta sintomática, tenho pena que o Monstro das Bolachas já não coma bolachas, e que também já tenha ido ao oftalmologista (pareceu-me também que os olhos do boneco já não se mexem daquela maneira psicótica). Mas é a vida, e todos nós seguimos em frente. Mas tenho a certeza que, quanto mais programas há com personagens a tornarem-se vegetarianas, mais os miúdos ficam obesos. Ah pois.
Ufa, depois de escrever este texto fiquei cheio de fome. Alguém tem aí bolachas? Vou devorá-las todas!
Nham Nham.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).