Pequeno comentário sobre aquelas duas cidades que, nem por acaso, são as que têm mais influência no nosso Portugal (e depois aproveito e faço aqui mais umas parvoíces)

Engraçadas as diferenças que um indivíduo com laivos de idiotice (como é este que assina estas linhas) consegue captar entre as cidades de Lisboa e do Porto. Mas a única coisa mais importante (ou seja, que realmente poderá interessar-vos, queridos - e pouquíssimos - leitores) é que me parece, muitas vezes, que os nortenhos têm muito mais simpatia com as pessoas que a malta de Lisboa. Mas depois há outras coisas que Lisboa tem e que o Porto não tem, etc etc etc. E uma pessoa como eu, que com o tempo, se tornou um pertence das duas cidades, fica assim meio dividida para saber qual delas é a melhor. Mas também, se formos a ver, essa é uma matéria pouco interessante para a minha vida e que só causa conflitos idiotas e sem sentido, que uma pessoa segue mas é em frente e prontos.
Até porque há tantas outras coisas interessantes que mereciam ser escrevinhadas neste blog. 
A essência da filosofia de Immanuel Kant, o romantismo na obra de Luís de Camões, ou até mesmo (veja-se só), a estrutura do sistema telefónico em Santa-Clara-a-Velha, são alguns dos inúmeros temas que tenho em mente para, algum dia, opinar aqui neste blog.
Só que, cada vez mais, vejo que não tenho estofo suficiente (nem o intelecto exigido) para me armar aqui em "sotôr Comentador" e falar destes motes de conversas rotineiras de sábado à tarde de qualquer... pessoa (sobretudo o do sistema telefónico, esse é que me dá mais trabalho).
E por isso, contentem-se com estes textinhos, que, no fundo, não dizem nada de especial e que não fazem falta nas vossas vidas. 
Mas que vocês lêem.
AHAHAHAHAH!
(prolongamento do riso maléfico por mais sessenta e sete minutos e treze segundos, e posteriormente, retirada deste caixa d'óculos com a mania que escreve para os seus aposentos reais, onde lhe esperam um copo de leite com chocolate e biscoitos de manteiga - daqueles das caixas redondas, com diversos feitios, que no fundo, têm todos o mesmo sabor)

PS - Perdoem-me este devaneio, mas já estava com saudades dos meus tempos de maior idiotice, que têm vindo a ser cada vez mais raros nos últimos tempos, porque agora tenho de ser um indivíduo sério e essas coisas. E por vezes a nostalgia vem ao de cima, e não há como a deter.

Comentários