segunda-feira, 2 de julho de 2012

Os Salteadores da Arca Perdida

Depois de ter feito um re-revisionamento dessa épica obra prima "Leoniana" que dá pelo nome de «Era Uma Vez na América», esta pessoa que se escreve decidiu mudar um pouco de ares... cinematográficos, e decidiu regressar à grande aventura em estado puro, com o primeiro episódio da saga de Indiana Jones, e, sinceramente, o único que tinha vontade de rever. «Os Salteadores da Arca Perdida» é um dos maiores casos de sucesso de George Lucas e Steven Spielberg, dando início a um franchise que se prolongou com três sequelas, jogos de vídeo, livros, um spin-off televisivo (com o Indy em garoto) e muitas outras coisas, algumas delas inimagináveis, que só sairiam da cabeça desses criativos lucrativos de Hollywood. E espera-se que haja um quinto filme de Indiana Jones, mas penso que já chega.
«Os Salteadores da Arca Perdida» é um filme com, admita-se, um título fabuloso (fica na cabeça e não sai, de tão bem que soa!) e que contém os melhores e mais refinados ingredientes para uma grande fita de entretenimento cativante e muito bem feita, que iria influenciar muitos filmes de aventuras que se lhe seguiriam, e que deixou um legado inquestionável de culto e popularidade. E nesta fita, conhecemos Indiana Jones, aventureiro caçador de peças arqueológicas bastante difíceis de encontrar, e que partirá à procura da Arca Perdida, onde se pensam que estejam guardadas as tábuas dos 10 Mandamentos. Indy enfrentará traidores, rivais e até nazis (com aquele ar malévolo característico), impedindo que o Mal se apodere desta arca tão importante para a História da Civilização.
Steven Spielberg realizou, e George Lucas criou a história de «Os Salteadores da Arca Perdida», numa excelente combinação de aventura, emoção e ação, nada aborrecida e ainda muito atualizada. Este é mesmo um bom filme para descansar e aprender que o Cinema não é só Hollywood, mas que, se não fosse Hollywood, não teríamos heróis do calibre de Indiana Jones.

Nota: * * * * 1/2

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).