terça-feira, 10 de julho de 2012

Loucura Americana

«Loucura Americana», de Frank Capra, é mais uma lição de moral e de cinema ao estilo que o realizador habituou os seus espetadores ao longo dos anos. É um tesouro cinematográfico que ficou meio perdido no tempo e no esquecimento das pessoas e dos cinéfilos, mas que não deixa de ser um filme muito bom. Em «Loucura Americana», um filme que antecede clássicos como «Peço a Palavra» e «Do Céu Caiu Uma Estrela», Frank Capra decidiu abordar o mundo da economia e da banca, onde reside a verdadeira loucura do título da obra, contando a história do quotidiano de um banco americano que vê o seu sistema afetado após a ocorrência de um incidente grave. «Loucura Americana» dá-nos a entender que (e tal como nos dois clássicos posteriores que foram há pouco mencionados), os valores éticos e morais do ser humano têm uma importância muito maior que tudo o resto. Este filme, de curta duração (pouco mais de setenta minutos), carrega um significado do tamanho do mundo, e que é suportado por um argumento muito bem escrito e maravilhosamente interpretado por todo o elenco, que dá uma vida maior e, por isso, uma maior noção de realidade, a esta «Loucura Americana». Não consigo entender, sinceramente, como este filme passou despercebido à maioria dos “Caprianos”, já que também ele permanece atual (tal como todos os clássicos de culto do realizador, que passados tantos anos, ainda são muito vistos e apreciados) e, por isso, necessita de um visionamento urgente por parte de todos. 
 Apenas uma nota para a (péssima) sinopse do filme, escrita na contracapa da edição DVD, que contém vários elementos que, na realidade, não pertencem à história do mesmo (mas claro, só notei isso depois de ver o filme), o que faz que a simples leitura dessa sinopse dê uma ideia muito errada desta obra, não nos dando a entender logo como pode ser de uma qualidade tão grande. 

Nota: * * * * 1/2

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).