quarta-feira, 27 de junho de 2012

A Vida é Bela


«A Vida é Bela» é outro dos filmes icónicos da minha geração: penso que são poucas as pessoas da minha idade que não viram este magnífico filme italiano, realizado e protagonizado pelo Grande Roberto Benigni. Já não via o filme na íntegra há bastante tempo (mais de meia dúzia de anos, se não me falha a memória), e não me desiludi deste novo revisionamento. É claro que, quando vi «A Vida é Bela» pela primeira vez, tinha uns sete anos, e, obviamente, não consegui entender o filme no seu todo. Mas as lembranças que tinha do mesmo corresponderam totalmente ao que acabei de ver e que do qual, mais uma vez, me maravilhei e me emocionei, exatamente da mesma maneira de quando o vi das outras duas vezes.
Este filme tem um poder inquestionável, e Guido, a personagem de Roberto Benigni, é muito forte e completamente carismática, deixando-nos muitas lições para a vida, dando ao filme um profundo toque de humanidade, num cenário de horror como foi o do Holocausto. Guido ensina-nos sempre a rir e a ser criativos (ou "desenrrascados"), e mesmo nas piores situações, a alegria, a esperança e a imaginação estão acima de todas as coisas más. No campo de concentração para o qual são levados, Guido leva a entender ao seu filho que estão dentro de um grande jogo, do qual, se sairem vencedores, poderão ganhar um tanque em tamanho real. É interessante ver como, em pleno cenário de horror e drama, Guido leva a sua ideia aos limites, para que o seu filho não se aperceba da terrível verdade que os rodeia.
«A Vida é Bela» está repleto de cenas hilariantes, bonitas e emocionantes, com um Roberto Benigni em estado de graça (merecedor do Oscar que recebeu com esta interpretação), que se mostra como um bom realizador, e em suma, um grande cineasta. «A Vida é Bela» é um filme intemporal, que se por um lado nos dá mensagens para a vida, é mais um filme que mostra que coisas como o Holocausto nunca mais devem  acontecer.

Nota: * * * * *

8 comentários:

  1. Primeiro de tudo, deixa-me dizer que esta mensagem aqui em cima é qualquer coisa de espectacular. Quanto ao filme, se não lhe desses cinco estrelas eu própria te espancava... Just Saying, la la la

    ResponderEliminar
  2. Anónimo1/7/12 03:23

    Olha rapaz...sou o mesmo que te mandou as bocas no filme "Uma Abelha na Chuva".
    S
    ó para te dizer que até gostei do "Sobre Ti" e que aqui e ali até vou concordando com o que escreves, agora passo-me quando vejo um puto galarote armado em intelectual(oide), ou em João Lopes, tanto faz, escrever sobre um filme três horas depois!

    Concentra-te miúdo, assimila, deixa "poisar" as coisas! Olha puto, a fotografia do Filme (/sabes o que é não sabes) em que tanto bateste, é sublime, determinados planos são belíssimos e muito inspirados nesse "Sunrise" de Murnau ( a cena do lago, por exemplo) que te aconselhei a ver.

    Olha miúdo: Até adorar Jeff Buckley, Elliott Smith ou Nick Drake( sabes quem são não sabes? Não... não são do cinema!)demorei meses de assimilação, de tradução interior, de aprendizagem!

    Vá Lá gasta 8 Euritos e compra o filme do Fernando Lopes, E vê com olhos de ver e sentir. Um dos maiores filmes da História do cinema português! Como o Maria do Mar, ou Aniki Bobó ,Belarmino, Canção da Terra! O que estás proibido de ver por sanidade mental é essa miséria de merda que e o Crime do Padre Amaro do Carlos Coelho atrasado da Silva, porque nem a tal "gaja boa" e péssimahorrivel atriz salva aquela bosta!

    Olha miúdo que te escreve sabe umas coisitas de cinema, acredita! O teu blogue é BB ( não, não é Brigitte Bardot - isso querias tu - e eu quando era nova!) é Bem Bom! e vou continuar a segui-lo!Acredita!

    Ah! O Kramer contra Kramer um dos filmes da tua vida??? Fosga-se! E o Love Soty também? Tem calma, meu! Usa Bissolvon como xarope para a tosse e não certos filmes! Também adoras o Titanic desse cagão Camarão? Daqui a pouco estás a cantar essa filha da pu...ice de S. Amaro de Oeiras " A todos um bom Natal"

    Xau, e já sei que não me vais publicar, que vais ficar a fervilhar de raiva, que vou mexer nas tuas cinéfilas convicções, mas tem paciência! Aprende-se ética e estética pelo desarranjo, pelo desassossego, e às vezes quando se é novo, algum cota deve ter a coragem dessa tarefa!
    Olha que faço isso quase diário aos meus alunos!
    Bem..quase três e meia da manhã! Em tua homenagem, vou ver "O Mundo a Seus Pés"

    ResponderEliminar
  3. Olá de novo cara anónima, e que é professora - se eu fosse seu aluno deveria ter muito más notas...:(
    São opiniões, mas pronto, volto a ver o filme daqui a uns anos e depois vê-se.
    Eu gosto do Kramer vs Kramer... sinceramente acho melhor tê-lo nos favoritos do que o Fight club ou afins (ou ate mesmo a treta do titanic)...
    Sim, conheço os nomes de que falou, mas sabe, se eu sei muito pouco das coisas, a maioria da garotagem da minha idade sabe muito menos e a maior parte do que veem/ouvem/leem... ui ui...ainda ficaria + arreliado...
    eu próprio fico perplexo como a maior parte das pessoas da minha idade não conhecem chaplin, scorsese, polanski, allen... eu sei que conheço muito pouca coisa, mas gosto de descobrir coisas novas, e muitas pessoas da minha geração preferem deitar-se no sofá e não fazer nada da vida. Eu não sou assim felizmente...
    não sei o que dizer mas não tenho convicções de nada, daí ter respondido aos seus comentários porque achei interessantes... as unicas coisas que nao publico são spam e etc...

    Grato por + um comentário,

    Rui Alves de Sousa

    ResponderEliminar
  4. e sim, acho que vai gostar do Mundo a seus pés... foi uma grande influência para todos os realizadores portugueses que mencionou.

    ResponderEliminar
  5. and just one little thing... eu não me armo em intelectualóide nem pretendo ser assim... apenas gosto de deixar aqui um comentário sobre o que vejo. Mas não é por isso que não dou importância às coisas depois de escrever um texto sobre elas...

    ResponderEliminar
  6. Anónimo1/7/12 22:39

    Pronto...Rui não te "amofines" ( à la Gil Vicente!).

    Rui, sobre seres meu aluno: Como dizia o velho Cunhal: Olha que não, olha que não! Pelo que escrevo, imaginas o que empresto a muitos para verem e ouvirem em casa?! O que tento desconstruir?

    Vou só encerrar esta discussão com um aparte e um pedido de desculpas: Como li em diagonal, não tinha reparado que uma Abelha na Chuva tinha sido projetado numa aula de Literatura Portuguesa, certo?!

    Olha Rui, deixa-me confessar-te uma coisa TRÁGICA : Onde a escola toca no seu formalismo, na sua formatação, MATA! A Escola anda arredia da criatividade, do diálogo das ideias críticas, do pensar diferente! É uma escola "manualeira", de "Palavras aos Actos" que nem são palavras nem actos.São muitas vezes palavreado e sujeição ao assim é que e!Adoro o léxico associado ao canto, a fusão das áreas lexicais, Descontinuidades face a, interrogações retóricas e afins e merdelins semelhantes. Sabes Rui...eu pegava em Sena, em Jorge de Sena e espatifava a patetice camoniana que anda nesses manuais rafeiros, escritos por gente quem ama a literatura e cuja cultura literária ficou em Eça!Depois muitos docentes de Português, enfim. Ainda noutro dia falava com uma que nem sabia quem era Maria Gabriela llansol ou Gonçalo M Tavares!! Sabes outra: Os manuais dos professores na "bordinha direita" ou no fim, trazem as respostas aos exercícios, acreditas nisto? Olha até te convencem que esse portento que é Frei Luís de Sousa é uma grande obra teatral portuguesa!! Ai se os docentes de Português soubessem, lessem ou fossem ver peças do GRANDE TEATRO Nódico, francês, ou Inglês que se fazia no tempo de Garret!Do pior que Garret fez!

    Assim, se calhar, percebo Abelha na Chuva. Acredita o Filme não tem nada ou muito pouco, pou apenas alguma coisa a ver com o Livro. E quando se passa a alunos de Literatura um filme destes, não basta Literatura, tem de se saber Cinema, cinema Português, enquadramento de Carlos Oliveira e Fernando Lopes na Cultura Portuguesa ( Olha Abelha na Chuva é tão Neo-realista como eu fui à Lua!). Muitas vezes o que se faz, passa-se o filme a seco, sem perfilar a obra e depois vocês não percebem!
    Raios compra o DVD! Gasta Oito Euros que até não pareces ser gajo de precisares deles para as litrosas e bêbadas de Bairro Alto, e vê os extras ( depois de ver o filme)vê a entrevista ao realizador, vê a extraordinária força da Banda sonora, etc, etc!

    Vou Gostar do Mundo a Seus Pés??? Rui, mais de 20 vezes que o vi! Está lá tudo, tudo do cinema! Está lá o génio do Wells! Claro que foi influência! Até para mim! Nunca mais passei a olhar da mesma forma!

    Bem, Adoras o Casablanca, e isso é Bingo! A essência do belo, do conteúdo, da forma centradora num filme do P/B!

    Já agora dois conselhos se mo permites: Dois livros, que têm a ver com o que te escrevi! Um para não te deixares formatar - e espero que entres na Faculdade ( sistema centrifugador máximo da formatação-sebentação), ou pelo menos tentares perceber o que foi acontecendo na tua vida de estudante:

    "Raoul Vaneigem," Aviso aos Alunos do Básico e Secundário"

    Joana Matos Frias ( Grande Professora) , org , "Poemas com Cinema", Assirio e Alvim - Reflexões poéticas maravilhosas de grandes poetas portugueses sobre grandes filmes. Olha existem alguns poemas sobre filmes que tu adoras!

    Pronto, não te chateio mais, desculpa qualquer coisinha e não te abespinhes, porque se nota que és diferente!

    Ai tu achas que eu ia perder tempo, dedos e teclas, se tu fosses um puto que adorasse o Tony Caganeira, ou o Michael Diarreia, ou a Matrona, ou os filmes do Schwarznádegas, ou a "merda com açucar" ou afins? Tens pinta, nota-se! Segue o teu caminho e quanto ao cinema, força, sabes porquê? Ele liberta, ele acompanha, ele é como o Novalis dizia em relação à poesia : é o autêntico real, quanto mais cinematográfico, mais verdadeiro!
    Parabéns pela coragem de me publicares e pelo Teu Blogue!

    ResponderEliminar
  7. Anónimo1/7/12 23:16

    Desculpa Rui, fui ali bater com a cabeça na parede e já vim! Então podia-me lá ter esquecido de um livro !!!!?

    David Gilmour, "O Clube de Cinema", Um Pai, um Filho, Três Filmes por Semana, Editora Pergaminho.

    Um Sonho de um livro que o "GoodFather" (percebes a brincadeira cinematográfica, certo?) ofereceu ao filho no dia de anos!

    Já agora: Aceito tudo, sou evidentemente anti segracionista, mas...não me mudes o Sexo! Professor!Não...ora...ora! Pai de três filhos, uma na Faculdade: Letras, claro-Português-Inglês, um com a tua idade e doido por fotografia a P/B e cinema nem se fala (10-50 é um crack!) e uma trancinhas de 11 anos que adora os filmes da Marilyn,e já viu Casablanca ( em Bolo-Rei, como dizemos cá em casa), vê lá!

    ResponderEliminar
  8. penso que sobre literatura percebo o que quer dizer, nem eu próprio consigo compreender a "grandiosidade" dada a muitos autores...(e sim, foi numa aula de literatura)
    pode ter a certeza que entre gastar o meu rico dinheirinho em álcool ou o dvd da abelha na chuva, nem hesitava no segundo - beber não é comigo :) mas antes preferia conhecer um filme novo como o Belarmino.

    peço desculpa pelo professora e por ter pensado que não tinha visto o Citizen Kane, não foi por mal :/
    O Clube do cinema já tive oportunidade de ler (e de escrever sobre ele aqui).

    Muito obrigado pelos elogios, comentários e sugestões e escreva sempre que quiser - e já agora, poderia saber quem é? - um abraço!

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).