quinta-feira, 26 de abril de 2012

Os Coristas

«Os Coristas» é outro dos (muitos) filmes europeus que fazem História em todo o Globo. Mas, além disso, este filme marcou uma década, e também a minha geração. Não conheço muita gente da minha idade que não tenha visto esta fita, e mais do que isso, das que viram, todas elas adoraram-no e idolatram-no ainda hoje. É um filme que toca a qualquer pessoa que o vê. Ninguém pode dizer que está perante um filme terrível, pois não é verdade. Pode dizer o que quiser, mas, pelo menos, tem de se ficar satisfeito com o visionamento desta obra cinematográfica francesa.

«Os Coristas» é muito mais do que um filme musical equivalente a um CD, com as faixas todas seguidas em playlist, sem qualquer sentido. Apesar de ser a música que está no centro de toda a ação do filme, ela não se sobrepõe a tudo o resto, o que resulta numa química entre uma magnífica direção de atores (sobretudo dos pequenos) e a história do ex-professor de música que vai trabalhar para um "reformatório" (com um nome bem sugestivo, digamos) onde ensina os miúdos a irem para além da sua própria imaginação através das suas composições musicais, que funciona perfeitamente!

Por isso, «Os Coristas» contém todos os ingredientes necessários para ter sido (e continuar a ser) um sucesso à escala mundial: um excelente elenco, uma história simples, mas que puxa pelo lado mais alegre do espetador, e uma excelente banda sonora, que fazem deste filme muito mais do que puro entretenimento à moda europeia. «Os Coristas» tornou-se um verdadeiro blockbuster que nos dá muito mais do que apenas a sensação de comer "as pipocas do cinema". Este é um filme cativante e eternecedor, bonito e comovente. Um incrível prodígio cinematográfico sobre o poder da música na vida de todos nós, e como essa arte pode fazer-nos sonhar e mudar a nossa própria existência.

Nota: * * * *1/2

1 comentário:

  1. Depois de ler "isto"... tenho que ver o filme! Estou ansiosa, obrigada Rui

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).