segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

O Pequeno Grande Homem

Eu sempre gostei do Velho Oeste americano, gosto esse que foi muito alimentado pelas toneladas de banda desenhada do Lucky Luke que li durante alguns anos, que me ajudaram a saber de cor a maneira como as pessoas viviam naquela época, os seus costumes, todos os elementos que fazem desta parte da História da América um objeto de estudo muito interessante.
«Little Big Man» é um filme que nos transporta para o far-west americano, uma época que se tornou mitológica na História Americana e que sobre a qual existem inúmeros filmes, livros, séries de TV, etc. Mas neste western, o espetador não segue a história de um herói valente e destemido, tal como mostravam as personagens de John Wayne, metido constantemente em lutas contra individuos da pior espécie.
Em «Little Big Man», acompanhamos a história ficcional de Jack Cribbs, um homem centenário (interpretado por Dustin Hoffman, irreconhecível, diga-se - interpreta a velhice e a juventude de Crabb) que conta a um jovem jornalista as suas aventuras por terras dos índios Cheyenne, que por eles foi criado desde pequeno, as peripécias em que esteve envolvido com personagens reais, como o General Custer (comandante da Cavalaria durante a Guerra Civil Americana e nos conflitos contra os índios) e também o célebre pistoleiro Wild Bill Hickok, e por fim, sabemos os restantes pormenores da sua vida: os seus amores, as pessoas que vai conhecendo e os negócios em que se envolve, e tantas coisas mais.
Sinceramente, adorei «Little Big Man», por ser um filme que não tem qualquer tipo de artifícios nem floreados (tenta recriar o universo do Oeste ao máximo), e consegue equilibrar grandes momentos de comédia com cenas dramáticas que não lhes ficam atrás. A realização de Arthur Penn é rápida e fluente, e todas as interpretações são excelentes. «Little Big Man» tornou-se um filme que faz parte da História da América, revelando muito o que o movimento New Hollywood trouxe de novo ao Cinema Americano a partir de um dos seus mais conhecidos realizadores.
Nota: * * * * *

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).