sábado, 18 de fevereiro de 2012

O Padrinho - Parte II


«O Padrinho - Parte II» mostrou, pela primeira vez, que a sequela de um filme poderia ser tão boa como o seu antecessor, ou até para muitos, melhor.
Este segundo capítulo centra-se mais na personagem de Michael Corleone (Al Pacino numa interpretação indescritível), embora a caminhada de ascensão do novo Don seja intercalada pela história das origens do seu Pai, Vito Corleone (interpretado por um impecável Robert de Niro), onde percebemos a causa de se ter metido no mundo dos negócios obscuros da máfia.
Que há mais para dizer desta extraordinária sequela, inigualável e, na minha opinião, tão boa como o primeiro filme (se escolhesse entre um ou outro, acho que estaria a ser injusto, se bem que ver "o" primeiro filme dá-nos aquela sensação da descoberta da obra-prima. A sequela continua o conceito de alta qualidade do primeiro capítulo, mas falta esse pequeno "gostinho")?
Acho que fico mesmo sem o que dizer. O que é pena, porque sempre que tento escrever sobre filmes tão bons como este fica sempre muito para dizer que só mais tarde é que me irei lembrar.
Só digo é que, se me pedissem para escolher uma sequela, uma única, para recomendar a alguém, seria esta.
Tal como o primeiro filme, a perfeição irradia por todos os seus poros, se bem que goste um bocadinho mais da música deste filme (e principalmente, da música final - que é algo de magistral e super-hiper-épico!). Mas de resto...
... e depois de ver uma sequela destas, uma pessoa ainda pensa: «e ainda tinham de fazer o terceiro?». E pois, claro, depois o Coppola queixa-se que há quem lhe peça uma parte IV... depois disso nunca mais pára, e nunca se irá conseguir chegar a este aroma épico e divino que têm os dois primeiros filmes de «O Padrinho». Duas obras primas que eu considero as únicas que toda a gente deve ver, obrigatoriamente, antes de morrer, e são sempre os primeiros filmes que recomendo a qualquer pessoa. Todos têm de ver «O Padrinho» e esta encantadora sequela «O Padrinho - Parte II»

Nota: * * * * *

1 comentário:

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).