sábado, 7 de janeiro de 2012

É o ano do fim do mundo. Deve ser porque está cheio de boas promessas cinematográficas.

O início do ano recheia o meu gosto aguçadinho e esfomeado pelo que eu acho que seja o bom cinema. Eis aqui alguns dos filmes que aguardo ver em 2012, acrescentando um ou outro estreado em 2011 que ainda quero ir ver e que não estão por ordem de desejo. São os que me fui lembrando, e às tantas esqueci-me de um ou outro. Aqui vai:

-«Habemus Papam»
Farto (no bom sentido) de ouvir elogios ao filme, tenho uma grande curiosidade em ver esta película nova de Nanni Moretti, que tem sido aplaudida tanto pela esquerda como pela direita (o que é bom, haver filmes que ainda conseguem chegar a toda a gente e não a apenas um nicho de público), sobre um recém-eleito papa que não quer o seu cargo;
-«A Toupeira»
Pelo que vi, acho que temos aqui um Gary Oldman em grande, a herdar o papel interpretado por Sir Alec Guinness na série de TV homónima da BBC dos anos 70, e com uma história assinada por John Le Carré (o que também ajuda, já que é um grande autor);
-«A Dama de Ferro»
O retrato de Margaret Thatcher num desempenho muito elogiado de Merryl Streep, que respeita a figura, e que não tem sido bem recebida por parte da crítica (isto porque certos críticos confundem cinema com ideais políticos individuais);
-«Os Descendentes»
Do pouco que sei deste filme, achei que deveremos estar à espera de algo em grande. George Clooney num grande papel, e um dos grandes candidatos aos Globos de Ouro deste ano
-«A invenção de Hugo»
Martin Scorsese regressa em grande com um filme que homenageia os primórdios do cinema e que tem sido muito bem aceite o facto de este magnífico realizador (um dos meus preferidos) saber usar bem o 3D.
-«Moneyball - jogada de risco»
Será que é desta que Brad Pitt ganha o Globo ou o Oscar? Bem, alguns dizem que sim. Este filme é sobre basebol, mas parece-me que tem muito mais que isso. Outra grande promessa de 2012.
-«J. Edgar»
O biopic do diretor do FBI pela mão de Clint "Dirty Harry" Eastwood. Leonardo Di Caprio muito bem caracterizado e aompanhado por um grande elenco.
-«Uma separação»
Diz que este filme, que ganhou o Urso de Ouro de Berlim, é uma obra prima. Daí eu querer ver, porque gosto de abranger o cinema que vejo para lá das lides americanas.
-«O cavaleiro das trevas renasce»
O último capítulo do Batman visto por Christopher Nolan. Gostei do filme anterior e este, parece que vai ser algo extraordinário.
-«O artista»
Um filme europeu que tem dado muito que falar além fronteiras, e que me parece ser uma pequena pérola do cinema europeu. Jean Dujardin foi premiado em Cannes pela sua prestação.
-«O miúdo da bicicleta»
Mais um filme europeu, que parece ser simples à primeira vista, mas que talvez não o seja após a sua visualização.
-«O Deus da Carnificina»
O novo filme de Roman Polanski revela-se ser diferente e muito cómico, para variar um pouco do estilo do realizador.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).