quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Escudo nosso de cada dia

Nos últimos dias, nas últimas semanas, nos últimos meses e até (provavelmente) nos últimos anos, foram muitos os indivíduos (e agora gostasse que houvesse um feminino para "indivíduos" porque seria giro para este post, mas como não há, paciência, perde-se a piada) que profetizaram o apocalipse do euro e a ressurreição do nosso escudinho.

A minha humilde opinião sobre isto, perguntam vós (assim como eu pergunto a mim mesmo como é que eu dou tantos pontapés na gramática)? Bem, em relação a esta problemática, que se tem vindo a acentuar nos últimos dias devido aos problemas financeiros e às supostas tentativas de salvação/sobrevivência do "éro", é... 'tá boa.

Sim, apenas isto. Se o euro ficar, tudo bem, para mim é bom. Se o euro acabar de vez e cada país voltar à sua moeda de origem, bem, para mim também não faz mal, porque até tenho por aqui por casa umas caixas com escudos antigos que, se calhar, até rendem alguma massa se essa situação acontecer.

Mas o que eu penso é que isso não deve acontecer, por muita que seja a minha indiferença que tal medida tenha de ser tomada. É que, se já estamos tão mal com o euro, se agora cada país voltar à moeda antiga, que acontecerá a seguir? Nos casos dos países mais estáveis, como por exemplo a Alemanha e a França, bem, esses países não terão muitos problemas porque, de momento, não estão com problemas financeiros (pelo menos conhecidos do público ou da imprensa - ou se calhar os jornalistas saibam de alguma coisa mas foram pagos ara não o dizer... mas não quero agora entrar aqui em teorias da conspiração). Mas nos países mais afetados pela crise, como é o nosso caso e o ainda mais alarmante, da Grécia, acho que isto não iria sair muito bem.

Mas só o futuro o dirá, meus amigos e minhas amigas... Só o futuro o dirá.

Talvez no próximo período o meu carregamento quinzenal do cartão da escola passe a ser de dois mil escudos. Talvez...

1 comentário:

  1. Confesso; a mim faria-me uma enorme confusão. Sou do tempo da pré-história - o que deveria ser uma boa razão para gostar do escudo ou coisa parecida - e ficaria confusa. Nem sei dizer quantos euros são não sei quantos escudos.

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).