Cyrano de Bergerac

Adaptação da famosa peça teatral homónima de Edmond Rostand, «Cyrano de Bergerac» conta com a brilhante interpretação de um dos maiores atores franceses dos últimos trinta anos, Gerard Depardieu, cujo papel neste filme lhe valeu um prémio de Cannes como melhor ator e uma nomeação para os Oscars na mesma categoria. A história passa-se no século XVII, época marcada por grandes revoluções sociais e científicas, centrando-se na personagem de Cyrano de Bergerac, um poeta com uma coragem sem igual que se apaixona pela sua bela prima Roxana (muito bem interpretada por Anne Brochet), mas que esconde esse sentimento da sua amada por causa de um pequeno inconveniente de Cyrano: o seu grande nariz. Esta fita tem comédia, ação e drama em doses iguais. Nada é demasiado comercial ou demasiado lamechas para não se poder considerar que «Cyrano de Bergerac» é um grande filme europeu, que nos faz entrar numa época muito diferente da nossa, com um nível de detalhe muito interessante e que nos faz estar com mais atenção durante o visionamento para não nos escapar nada de nada. Por isso digo que um filme destes, a retratar um século como este, deve ser feito por europeus e não pela grande indústria americana, porque senão este filme seria só puro entretenimento ligeiro de sábado à tarde. Felizmente, «Cyrano de Bergerac» não é isso. Tem muito mais do que possa aparentar.

Nota: * * * * 1/2

Comentários