quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Você é a série mais fraca. Adeus.

Nesta época invernal (sim, quis dizer invernal, e não infernal, porque este tempo tem sido uma mistura de climas que não lembra nem ao diabo!), que é também a época da reentré televisiva, várias séries novas surgem nos ecrãs e outras continuam com novas temporadas. Mas nessas séries novas, há umas que são canceladas e há outras mais antigas que, por qualquer razão, também acabam por sofrer o mesmo fim.


Uma série que há já algum tempo merecia terminar é «House M.D», que me parece, segundo dizem, que é agora (FINALMENTE!) que aquela série, que ao princípio era bem interessante mas, como acontece com grande parte das séries que duram muito tempo, perdeu o interesse, mais propriamente porque os guionistas devem ter andado a tomar drogas nestas últimas temporadas. Vá, pronto, drogas não. Só levaram com um piano na cabeça. É algo mais leve.


E outra série que merecia ser cancelada mas que, infelizmente, ainda não o vai ser (porque parece que as audiências justificam que continue) é «O Mentalista». Sim, meus caros e minhas caras. Eu, há uns tempos idos, assumi-me como fã deste policial, não pelo seu formato, muito semelhante a outras séries do género, mas pela sua personagem algo peculiar e pela sua história principal também algo peculiar. O que acontece é que vi o primeiro episódio desta nova temporada (a quarta) e aquilo, para mim, acabou. Aliás, com tanta coisa boa para ver agora graças às boxes, vou perder mais não-sei-quantas horas mas-que-rondam-para-aí-as-vinte da minha vida a ver isto? Quer dizer... volta isto ao ecrã com uma história completamente estúpida e do género de encher chouriços, que me fez perder o pequeno interesse que tinha pela série. Senão vejamos... No final da terceira season, Patrick Jane mata o suposto Red John, e é preso. E nesta nova temporada, o que é que acontece? Afinal o tipo que ele matou não era o Red John, ele sai da prisão e vai continuar a andar à caça do verdadeiro Red John (ou então, a cada temporada, vai matar mais um suposto que, no início da temporada seguinte, se vai saber que não o é. Assim podem tornar a história da série como a vida de um serial killer, que mata pessoas de 22 em 22 episódios...). E se é para isto, podem perder o tempo de quem quiserem, menos da minha pessoa.


É como os CSI's e todas as séries dessa laia. Há poucas interessantes, e as que não o são sobrevivem por muito tempo.


Mas estava na altura desta série acabar, não? Os americanos têm a dificuldade de darem um fim às séries. Pensam que elas são eternas.


Larguem essa utopia, pode ser?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).