Uma pequena leitura

Li, mais uma vez, uma história ligada ao género do terror e fantástico. Desta feita foi o clássico da literatura portuguesa «O barão», um pequeno conto da autoria de Branquinho da Fonseca, que foi recentemente alvo de uma adaptação para cinema, realizada por Edgar Pêra e com Nuno Melo no papel do Barão.

Esta obra introduz ao leitor a estranha e enigmática personagem do Barão, um homem que vive sozinho na sua mansão, com os seus criados e os seus cães. Um inspetor da instrução primária irá encontrar este aristocrata com algo de excêntrico e decadente, que ao longo da história irá interessando cada vez mais o narrador, através das situações que as duas personagens vão viver nessa noite, à volta do pequeno mundo criado pelo Barão.
Aconselho o livro, pois além de ser de rápida leitura, é uma história com muito interesse que vale a pena ser lida. Pena não ter podido ver o filme - está a sair dos cinemas por estar a ser um fracasso de bilheteira - se calhar, se Edgar Pêra tivesse tomado a ideia que João Botelho teve para a exibição do seu «Filme do desassossego», teria mais sucesso. Mas pronto, é pena.

Nota: ****

E agora tenho mais dois livros em mente: vou começar «A cidade e as serras» de Eça de Queirós, e se tiver tempo para ler mais livros ao mesmo tempo, estava a pensar em ler o primeiro volume do «Tropa de elite».

Comentários